k
OPS... USE SEU CELULAR NA VERTICAL PARA UMA MELHOR NAVEGAÇÃO
FECHAR x
m
MENU
s
BUSCA
m
MENU
EDITORIAL
MODA
|
BELEZA
|
LIFESTYLE
|
TVGE
MAIS VISTOS
6 jeitos de utilizar cubos de gelo na sua rotina de beleza
Truque de beleza que dá para fazer em casa sem nenhum esforço, multiuso e com...
Beleza
30 jan 2014
Como deixar seu feed no Instagram lindo (e + dicas para bombar na rede)
Se você, como eu, não passa um minuto dia sem checar o Instagram, já deve...
Garotas estúpidas
25 ago 2016
O efeito imediato e radiante do Renew Vitamina C!
Os três passos importantes: Limpeza, tratamento e proteção #publishow Desde que participamos do evento da...
Beleza
30 abr 2019
6 jeitos de utilizar cubos de gelo na sua rotina de beleza
Truque de beleza que dá para fazer em casa sem nenhum esforço, multiuso e com...
Beleza
30 jan 2014
Como deixar seu feed no Instagram lindo (e + dicas para bombar na rede)
Se você, como eu, não passa um minuto dia sem checar o Instagram, já deve...
Garotas estúpidas
25 ago 2016
O efeito imediato e radiante do Renew Vitamina C!
Os três passos importantes: Limpeza, tratamento e proteção #publishow Desde que participamos do evento da...
Beleza
30 abr 2019
6 jeitos de utilizar cubos de gelo na sua rotina de beleza
Truque de beleza que dá para fazer em casa sem nenhum esforço, multiuso e com...
Beleza
30 jan 2014
Como deixar seu feed no Instagram lindo (e + dicas para bombar na rede)
Se você, como eu, não passa um minuto dia sem checar o Instagram, já deve...
Garotas estúpidas
25 ago 2016
O efeito imediato e radiante do Renew Vitamina C!
Os três passos importantes: Limpeza, tratamento e proteção #publishow Desde que participamos do evento da...
Beleza
30 abr 2019

QUEM É ESSA GAROTA?

15/04/20 Moda | Por Nelize Dezzen

Gabriela Prioli causou ao estrear na bancada de um programa de debate ao vivo. E, quer saber? A gente nunca esperou nada diferente dela

DSCF1133 408

Desde outubro do ano passado a loira alta de olhos azuis abre os posts da semana no Instagram do GE. A cada segunda, de uma forma calma e didática, ela ajuda a abrir nossos olhares e pensamentos para os acontecimentos da semana. Essa mulher “perfeita”, dentro dos padrões que ainda são tidos por aí como ideal é bem mais que um rostinho bonito: é inteligente e exerce um magnetismo em quem a ouve a cada fala. Prende a atenção de quem estiver à sua frente e transforma política em um assunto acessível a qualquer pessoa. Aqui na redação, a chefa Camila Coutinho costuma dizer que ela é a nossa versão de Reese Witherspoon no filme Legalmente Loira.

Gabriela, em um encontro de amigas, sempre tem a atenção de todas. Gabi precisa falar. E, ela tem muito o que falar! Mas, em momento algum aparenta superioridade. Apesar do loooongo currículo, não é dessas pessoas que deixa as pessoas constrangidas com os seus conhecimentos. Pelo contrário, faz da sua inteligência um fio condutor, passando à frente sempre tudo o que aprende.

Não por acaso, ganhou espaço na TV fácil fácil: cheia de personalidade e caras e bocas, que a fizeram ser amada e odiada, Gabi se destacou em um lugar predominantemente masculino até então, a bancada de um programa sobre debate político, O Grande Debate, da CNN Brasil. Por causa disso, em pouquíssimo tempo, seus 100 mil seguidores viraram quase um milhão. A gente por aqui (claro!), vibrava como se esses números fossem resultado da Tele Sena!

DSCF0995 267
DSCF0993 265
DSCF0992 264

O sucesso profissional e pessoal, entretanto, é fruto de muita luta e dedicação. Gabi perdeu o pai em um acidente de carro aos seis anos de idade. Foi criada pela mãe e pelas avós e nunca teve nada de mão beijada. Daí cresceu com ela uma força que parece ser inabalável. Tanto, que sustentou seus valores e lugar de privilégio adquiridos mais tarde quando a vida lhe exigiu tal posição: pediu demissão do cargo que ocupava há pouco tempo e que foi motivo de grande parte do seu sucesso nas redes sociais. Competente que só, foi convidada de volta pela emissora, dessa vez para criar o seu próprio programa – ainda sem data de lançamento (U-H-U!).

Feminista assumida, Gabi (os amigos pronunciam Gábi) desmonta o clichê de que para uma mulher gostar e entender de política, é preciso ser sisuda. Fora das telas e das suas próprias redes de comunicação (ela também tem um canal no YouTube), a advogada adora se informar e consumir moda e beleza, pretende criar um clube do livro e não dispensa uma boa balada – nada incomum para quem é casada um DJ famoso, Thiago Mansur, e vive colada na amiga Anitta (apenas).

Sempre com o astral lá em cima, não hesitou ao dizer sim para o convite de ser fotografada para este editorial à distância, sem ajuda de uma equipe in loco - e, mesmo nunca tendo modelado e quando a internet não ajudava no processo, tirou de letra. Ok, isso não é nenhuma grande questão para quem e se diz a pessoa mais corajosa e medrosa do mundo.

Nesta entrevista – que também concedeu à distância sempre com o mesmo tom de voz doce e pedindo ajuda ao marido para lembrar de passagens da vida – ela joga a real sobre assuntos polêmicos e fala sobre os planos para o futuro.

DSCF1112 387

Garotas Estúpidas: Qual é a sua formação? Em que momento da vida percebeu que queria fazer isso da vida? 

Gabriela Prioli: Eu sou advogada, me formei na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, e depois fiz mestrado na USP em Direito Penal. Eu sempre fui uma pessoa muito preocupada com a questão da justiça. Desde sempre gostava de discutir esses assuntos e me fazer respeitada pelo meu ponto de vista. Sempre me coloquei para defender as pessoas que tinham dificuldade de falar em sua própria defesa e, por isso, me diziam que eu seria uma boa advogada.

Acredito que comecei a me interessar primeiro pelo Direito Penal, que foi o que me levou para o Direito como um todo. Pela minha história de vida, percebi que as pessoas são tratadas de maneiras distintas e que a força repressiva do Estado atua de determinada maneira em relação a pessoas em diferentes condições socioeconômicas e de raças e isso me incomodava. No segundo colegial eu cursei uma matéria eletiva que chamava Psicologia Social e foi aí que comecei a me interessar cada vez mais por assuntos que têm relação com a criminologia. Assim fui parar no Direito.

Garotas Estúpidas: Já pensou em exercer outra profissão? Qual?

Gabriela Prioli: Na época do vestibular eu prestei Direito e Jornalismo. Acabei fazendo o primeiro, mas nunca abandonei a ideia de comunicar. Eu gosto muito de compartilhar aquilo que aprendo, fico feliz fazendo isso. Foi um caminho que se desenvolveu aos pouquinhos, mas se desenvolveu de maneira natural e estou aqui hoje exercendo os dois mundos.

Garotas Estúpidas: Quem são suas mentoras e mentores? Para quem pede conselhos quando bate a dúvida?

Gabriela Prioli: Eu tenho a sorte de ter muitos bons amigos que me ajudam. Mas, com certeza, o Thiago (Mansur), que está comigo sempre e me ajuda em tudo o que eu decido. A Anitta e a Camila (Coutinho), que, me ajudou demais. Além da minha mãe, claro, que é a minha melhor amiga em todos os aspectos.

Garotas Estúpidas: Como você começou a trabalhar na CNN? Como foi o convite?

Gabriela Prioli: Depois de ler a dissertação “A influência da repressão penal sobre o usuário de crack na busca por tratamento”, que defendi no mestrado que fiz na USP, Leandro Cipoloni, até então diretor de gestão de jornalismo da Record, me convidou para algumas vezes para participar de debates na emissora. Participei de alguns, ele gostou do meu trabalho e me ofereceu um cargo fixo. Na época não aceitei, mas acabamos ficando amigos e, quando ele virou vice-presidente de jornalismo na CNN, me convidou para assumir a bancada de O Grande Debate e eu fui.

Garotas Estúpidas: O que te motivou a tomar novos rumos na carreira e aceitar um convite para trabalhar na TV como jornalista? O que esperava dessa mudança?

Gabriela Prioli: O que me motivou a aceitar o convite foi pensar que eu teria mais espaço para compartilhar o que eu considero ser um conteúdo de qualidade. Tanto que a minha maior preocupação durante todo esse tempo e algo que eu sempre faço questão de explicitar é que eu me preparo, seja para o debate, seja para uma fala sozinha de análise, seja para um vídeo que eu faço nas redes sociais... Tudo isso é fruto de dedicação e preparo porque eu tenho muita responsabilidade com o que eu entrego. Eu não quero a visibilidade pela visibilidade, eu quero a chance de estabelecer com as pessoas uma relação de confiança para que elas se sintam totalmente confortável com aquilo que eu transmito. Até porque eu não acredito muito nessa coisa de ser um oráculo, nem ter um dom especial, não é assim que eu quero me posicionar. Eu acho que eu trago para as pessoas uma análise, que é fruto da avaliação das fontes de informação disponíveis, do meu repertório, mas que é plenamente passível de ser repensado pelas pessoas que consomem. Sei que nem todo mundo tem tempo para ler os artigos e livros que eu leio, afinal não trabalham com isso. Penso que a relação é o interlocutor confiar em mim e eu olhar para ele e transmitir informação de qualidade. E, é claro que se as pessoas quiserem fazer críticas, a gente vai construindo novos diálogos e evoluindo juntos a partir daí. O que a TV e as redes sociais me dão é justamente isso: a possibilidade de trocar com as pessoas.

Garotas Estúpidas: Trabalhar ao vivo sempre traz uma tensão extra, especialmente quando tratamos de notícias tão importantes e impassíveis de erros. Como foi começar nesse mundo? Quais mudanças você percebe desde o seu início até hoje? 

Gabriela Prioli: Apesar de eu ter costume de falar em público, o estúdio de uma redação de jornalismo ao vivo é muito diferente do ambiente de advocacia que eu estou acostumada. Em uma sustentação oral, eu tenho 15 minutos diretos para falar, na TV é uma fala mais dividida. No começo eu ficava muito nervosa e achava engraçado porque as pessoas diziam que eu parecia estar calma. Foi como todo o processo de começar algo novo. Sei que muita gente tem dificuldade de falar em público e não fala por causa disso, então queria dizer que eu também tenho. Hoje melhorou bastante, mas ainda fico tensa.

DSCF1097 368 copy
DSCF1097 368

Garotas Estúpidas: Você teve uma indisposição com seus colegas de trabalho porque eles te interromperam, desconsideraram sua opinião em um programa que propunha debate e tiveram um posicionamento machista. Ao mesmo tempo, você tem em casa um parceiro que te apoia e foi bastante firme nesse momento difícil. Qual você acha que é o papel da masculinidade no novo mundo com cada vez mais liderança feminina?

Gabriela Prioli: Eu acho que todo mundo, homens e mulheres, têm que se conscientizar em relação aos novos papéis que as mulheres estão assumindo e isso também é fruto de reflexão. A gente tem que sempre refletir sobre os nossos comportamentos e ver como podemos nos aprimorar.

O Thiago (Mansur) é realmente um grande parceiro e é uma pessoa que está e esteve ao meu lado em todos os meus projetos, que acredita em mim inquestionavelmente, que é o meu maior entusiasta. Eu acho que a maneira como ele lida muito bem com o meu protagonismo tem muito a ver com o fato de ele ter sido criado por uma mulher protagonista. O Thiago perdeu o pai quando tinha seis meses de idade e a sua mãe é uma mulher muito forte. Ele tem essa figura como centro do universo. Esse também foi o meu caso e do meu irmão, que fomos criados pela minha mãe.

Acho que o nosso comportamento em relação ao protagonismo feminino deve ser uma avaliação constante, só assim podemos entender de que maneira podemos melhorar o mundo ao nosso redor. É evolução, sempre.

Garotas Estúpidas: Por que decidiu voltar para a CNN e aceitar a proposta de um novo programa depois do acontecido?

Gabriela Prioli: Eu não acredito que as coisas são definitivas. Acho que a crítica deve servir como um ensejo para a gente construir a partir dela e não como uma estratégia de aniquilação. Acredito numa construção consciente a partir de uma reflexão gerada pela crítica e é isso que eu estou tentando fazer: construir algo melhor que tenha a minha cara, em que eu acredito, a partir da crítica. Por isso aceitei voltar para a CNN.

Garotas Estúpidas: Além do episódio machista em si, você ainda precisou lidar com haters nas redes sociais e até ameaças de morte. Como você passou por isso? O que fez para continuar firme e forte? 

Gabriela Prioli: Algo que eu aprendi e me ajuda muito é sempre lembrar que eu só sou responsável pelo que eu faço, só tenho controle das minhas ações. E aí vem uma necessidade de me desensibilizar em relação ao que vem das redes sociais porque as pessoas se escondem por trás dos perfis. Muita gente que adota um tom agressivo para chamar a atenção; tem que, de fato, é agressivo, mas está escondido. A gente tem que tomar cuidado apenas para não se tornar vítima e nem refém do elogio. Nesses momentos eu sempre volto para o que eu acredito.

DSCF1129 404

Garotas Estúpidas: Você chorou em algum momento? O que sentiu exatamente? 

Gabriela Prioli: Chorei, sim. Chorei durante esse período de muita novidade e turbulência. Não chorei um choro apenas de tristeza, mas de cansaço. Me entristece ver que as pessoas estão cultivando um ambiente de ódio na internet - mesmo em episódios que não me dizem respeito. A disseminação de sentimentos ruins faz mal não apenas para quem recebe a mensagem, mas para quem propaga. Uma pessoa que entra na internet para agredir outra pessoa não está bem e isso me deixa triste. Nenhum comentário isolado nas minhas redes me fez chorar, mas a falta de empatia. É uma obviedade, mas, por trás de todo perfil existe um ser humano. A gente nunca sabe pelo que os outros estão passando, não custa ser gentil.

 

Garotas Estúpidas: Por causa dos últimos acontecimentos, sua vida virou de cabeça para baixo e você virou celebridade e a fada sensata do Brasil em quinze dias. Como foi isso para você? Esperava que fosse acontecer em algum momento? 

Gabriela Prioli: Então, virar a fada sensata né... eu fico feliz que as pessoas me vejam dessa maneira, mas o que eu gosto de reforçar sempre é que o meu trabalho é fruto de dedicação, estudo e responsabilidade. Eu não esperava que a resposta das pessoas seria assim. Fico feliz com o reconhecimento e confesso que acho um pouco aflitivo às vezes com a quantidade de pessoas que me seguem. Eu sempre tive uma relação muito próxima com as pessoas que me acompanham, por exemplo. E ultimamente tem sido mais difícil responder com rapidez a todo mundo. Mas, como quero manter essa proximidade, hoje já tenho ajuda com a moderação dos comentários - até porque nem sempre são comentários bons e acho um desgaste de energia ler os maldosos (que são poucos), por exemplo. Mas, foi uma surpresa. É estranho, mas é muito legal. É um reflexo do meu trabalho e penso que, por essa ser a resposta, devo estar fazendo um trabalho legal, então fico satisfeita com isso. Mas, eu estou em constante evolução.

Garotas Estúpidas: Por que você acha que seu sucesso foi tão certeiro e sua aceitação tão grande?

Gabriela Prioli: Olha, não sei dizer porque foi tão certeiro. Não consigo fazer essa avaliação como especialista em redes sociais, por exemplo. Mas, o que eu acho é que eu sempre me comunico com muita honestidade, eu sou muito transparente na comunicação. Acho que isso é bom e as pessoas percebem. Hoje em dia é nossa obrigação falar sempre a verdade.

Garotas Estúpidas: Você é uma mulher linda, loira e de olhos azuis. Está totalmente dentro dos padrões de beleza impostos pela sociedade. Muitas vezes mulheres assim são tidas como incompetentes e apenas bonitas em ambientes de trabalho - especialmente quando é majoritariamente masculino, como o seu. Em algum momento isso foi um empecilho na sua carreira? Já sentiu algum preconceito nesse sentido?

Gabriela Prioli: Eu acho que a beleza é um conceito relativo. É um clichê, mas a beleza está nos olhos de quem vê. Existe um padrão, mas isso não significa que são só bonitas as pessoas que seguem ou estão dentro desse padrão. O que eu acho que já foi um empecilho para mim, na verdade, é a questão da vaidade e da multiplicidade dos gostos, das diferentes formas de manifestação da minha personalidade. Gosto muito de estudar e me aprofundar sobre os temas que avalio serem importantes. Eu gosto muito de literatura, mas também de maquiagem. Eu sou uma pessoa vaidosa e isso já foi usado pelas pessoas para tentar tirar a minha credibilidade. Quando eu comecei na advocacia lembro que as pessoas me diziam para prender o cabelo, usar óculos, tomar cuidado com as roupas que eu escolhia porque poderiam me acusar de ser uma pessoa fútil e de não ser tão boa. Sempre gosto de comunicar com muita ênfase todas as facetas da minha personalidade porque a gente precisa quebrar esse paradigma de que precisamos nos colocar numa caixinha da expectativa dos outros ou do padrão. Eu posso ser uma pessoa dedicada, responsável, comprometida com o meu trabalho e, ao mesmo tempo, gostar de moda, ser vaidosa e fazer coisas diferentes na minha vida pessoa. É importante a gente insistir em comunicar isso porque abre espaço para que as pessoas possam ser múltiplas sem serem julgadas. Eu faço questão de não me submeter a essa expectativa do mundo, da cobrança para que eu me encaixe em um padrão. É importante mostrar que a gente não precisa se encaixar no padrão.

Garotas Estúpidas: Você acha que as mulheres ainda precisam se provar boas profissionais para serem reconhecidas como os homens?

Gabriela Prioli: Depende, nem sempre. Mas, às vezes a mulher tem que passar por cima de muitas cobranças relacionadas ao seu comportamento. O seu posicionamento no mundo pode ser recebido de formas diferentes por pessoas diferentes. Se você é muito forte, pode ser vista como agressiva. Se é muito vaidosa, como fútil. Esses julgamentos são mais intensos em relação as mulheres. O que eu acho pior de tudo é que muitos dos nossos traços de personalidade são usados como estratégia para nos descredibilizar.

Garotas Estúpidas: Você é feminista? Como foi se descobrir feminista? 

Gabriela Prioli: Sim, sou feminista. Me descobrir como uma foi muito natural. Eu entendo o feminismo como uma busca pela equidade entre homens e mulheres. Minha família é repleta de mulheres fortes - minha bisavó já trabalhava fora de casa, a minha avó materna era cantora lírica. Minha mãe ficou viúva quando eu tinha seis anos e sempre me disse que eu posso falar o que eu quiser para quem eu quiser, a única coisa que eu não posso é desrespeitar os outros.

Garotas Estúpidas: Qual foi o melhor conselho que uma mulher te deu? 

Gabriela Prioli: Na verdade não foi um conselho de apenas uma mulher, mas uma união de vários conselhos: se aproprie da sua história, de quem você é, é aí que está a sua força. Não apenas do que é bom, mas do seu ser como um todo. É assim que você se torna menos suscetível ao questionamento dos outros. É também o conselho que eu dou para todo mundo.

DSCF1032 303

Garotas Estúpidas: Você prega a descriminalização do uso das drogas e tem, inclusive, teses publicadas sobre o assunto. Você já usou algum tipo de droga? Qual? Como foi a experiência? 

Gabriela Prioli: Nunca usei nada além de álcool. No começo da faculdade tive uma postura bem menos liberal em relação às drogas. Conclui parte do meu curso de Direito em Portugal, na Universidade do Porto, numa época em que estava sendo discutida a descriminalização do uso de drogas e isso começou a abrir minha cabeça. Fiz um trabalho no final da faculdade sobre drogas sintéticas e comecei a me interessar mais por esse tema.

Garotas Estúpidas: Você gosta de moda? Qual considera ser o seu estilo? Tem alguma peça de estimação? 

Gabriela Prioli: Gosto. Me considero uma pessoa básica, mas que se interessa por moda e gosta de acompanhar tendências. Não tenho nada muito de estimação, mas adoro sapatos! Sempre gostei. Quando eu era criança, a minha brincadeira preferida era dar a volta no quarteirão vestindo as roupas da minha mãe. Lembro especificamente de uma bota de franjas maravilhosa. Eu colocava aquela bota e me sentia invencível.

Acho que a roupa e a moda fazem parte da construção da imagem que queremos passar. Elas dão segurança para enfrentarmos algumas situações.

Garotas Estúpidas: E de beleza? 

Gabriela Prioli: Eu gosto de maquiagem, mas nada muito pesado. Adoro conhecer novidades e experimentar. Mas, tanto na moda como na beleza, gosto de ser livre para me arrumar quando eu quiser e sair de cara lavada e sem nenhuma produção especial quando eu quiser também. Não pretendo estar arrumada sempre que sair de casa.

Garotas Estúpidas: O que você gosta de fazer quando ninguém está olhando? 

Gabriela Prioli: Ouvir pagode dos anos 90 e dançar na sala. Faço quando as pessoas estão olhando também (risos).

Garotas Estúpidas: Você pretende ter filhos? Como se sente em relação a cobrança da maternidade imposta pela sociedade? 

Gabriela Prioli: Pretendo ter ou adotar. Já senti essa pressão, sim, e me sinto em relação a ela da mesma forma que me sinto em relação a qualquer cobrança. Acredito que cada pessoa deve decidir o que quer da sua vida e deixar o outro decidir sobre a sua. Cada um no seu espaço de liberdade.

Garotas Estúpidas: Você é casada há quanto tempo? Como se conheceram? 

Gabriela Prioli: Não nos casamos oficialmente ainda, mas moramos juntos há quatro anos. Eu e o Thiago (Mansur, DJ de 36 anos) nos conhecemos na academia. Começamos a namorar depois de um mês saindo e fomos morar juntos dali duas semanas. Ele é o homem mais lindo que eu conheço.

DSCF1119 394

Garotas Estúpidas: Você já sofreu por amor? 

Gabriela Prioli: Já. Qualquer amor? O meu maior sofrimento por amor é não ter convivido mais tempo com o meu pai. A saudade que eu tenho dele é o maior sofrimento por amor que eu já conheci.

Sobre relacionamentos, sofri mais pelos que não eram saudáveis. Como a maioria das mulheres que eu conheço, já estive em um relacionamento abusivo e foi difícil sair dele. Um grande problema é que a gente costuma dizer que relacionamentos são difíceis, que conviver não é fácil e, quando eu estava num relacionamento abusivo, isso me deixava muito confusa. Eu via que o que eu estava vivendo não era bom, mas eu pensava “será que essa não é a coisa que todo mundo fala?”. Então, agora que encontrei um relacionamento saudável, faço questão de dizer o quanto ele é bom para desconstruir isso

Acho que aqui cabe um conselho: se você acha que tem algo errado no seu relacionamento, busque ajuda, converse com as pessoas, procure sempre se fortalecer buscando quem você é. O relacionamento abusivo vai te desconstruindo e te fragilizando aos poucos e, no final, é difícil se lembrar de quem se era antes dele.

Eu não tive só um relacionamento abusivo. Precisei de algum tempo para entender que, na verdade, eu buscava esse padrão, me colocava neles. Tive que amadurecer para sair disso.

Então, se você acha que está vivendo um, não tenha vergonha de falar. Todas as pessoas estão tentando viver da melhor maneira possível, assim como você.

Garotas Estúpidas: Pelo que acompanho do seu Instagram você é uma pessoa bastante ativa, que adora viajar. Como está sendo esse momento de isolamento social para você? Como tem passado os seus dias? Aprendeu algo novo? 

Gabriela Prioli: Eu sou muito ativa, mas também gosto muito de ficar em casa. Meu isolamento está coincidindo com uma mudança muito grande na minha vida, então tenho muita coisa pra fazer. Não sinto tanto a falta de fazer coisas, mas mais saudades da minha mãe, do meu irmão, das pessoas que eu não posso abraçar e beijar.

Garotas Estúpidas: E depois? Quais são os próximos passos de Gabi Prioli? 

Gabriela Prioli: Olha, eu tenho vários projetos. Eu quero investir no meu canal no YouTube, nas minhas plataformas e redes sociais para manter esse contato direto e constante com as pessoas que me acompanham. Estou trabalhando em um novo projeto para a CNN. Também em um outro projeto pelo qual tenho muito carinho e queria colocar de pé o mais rápido possível porque todo mundo me pede. É um tema que as pessoas gostam muito de dividir comigo, que é um clube do livro – as pessoas sempre me pedem dica de leitura, elas gostam quando eu falo de livro no meu canal no YouTube. Além disso, eu gostaria de dar cursos porque eu sou professora né... Mas, é tudo embrionário porque tudo tem o meu controle e, por isso, preciso desenvolver as coisas com calma, assim não assumo mais projetos do que consigo tocar e nada perde a qualidade.

 

Entrevista: @oliviaanicoletti

Edição: @rafaelnasc e @nelizedezzen

Fotos: @joaoarraes

Beleza: @kaká.oliveira

QUEM ESCREVE
Nelize Dezzen
| Team GE
VER COMENTÁRIOS / COMENTAR
COMPARTILHAR
GOSTOU?

QUEM É ESSA GAROTA?

15/04/20 Moda | Por Nelize Dezzen

Gabriela Prioli causou ao estrear na bancada de um programa de debate ao vivo. E, quer saber? A gente nunca esperou nada diferente dela

DSCF1133 408

Desde outubro do ano passado a loira alta de olhos azuis abre os posts da semana no Instagram do GE. A cada segunda, de uma forma calma e didática, ela ajuda a abrir nossos olhares e pensamentos para os acontecimentos da semana. Essa mulher “perfeita”, dentro dos padrões que ainda são tidos por aí como ideal é bem mais que um rostinho bonito: é inteligente e exerce um magnetismo em quem a ouve a cada fala. Prende a atenção de quem estiver à sua frente e transforma política em um assunto acessível a qualquer pessoa. Aqui na redação, a chefa Camila Coutinho costuma dizer que ela é a nossa versão de Reese Witherspoon no filme Legalmente Loira.

Gabriela, em um encontro de amigas, sempre tem a atenção de todas. Gabi precisa falar. E, ela tem muito o que falar! Mas, em momento algum aparenta superioridade. Apesar do loooongo currículo, não é dessas pessoas que deixa as pessoas constrangidas com os seus conhecimentos. Pelo contrário, faz da sua inteligência um fio condutor, passando à frente sempre tudo o que aprende.

Não por acaso, ganhou espaço na TV fácil fácil: cheia de personalidade e caras e bocas, que a fizeram ser amada e odiada, Gabi se destacou em um lugar predominantemente masculino até então, a bancada de um programa sobre debate político, O Grande Debate, da CNN Brasil. Por causa disso, em pouquíssimo tempo, seus 100 mil seguidores viraram quase um milhão. A gente por aqui (claro!), vibrava como se esses números fossem resultado da Tele Sena!

DSCF0995 267
DSCF0993 265
DSCF0992 264

O sucesso profissional e pessoal, entretanto, é fruto de muita luta e dedicação. Gabi perdeu o pai em um acidente de carro aos seis anos de idade. Foi criada pela mãe e pelas avós e nunca teve nada de mão beijada. Daí cresceu com ela uma força que parece ser inabalável. Tanto, que sustentou seus valores e lugar de privilégio adquiridos mais tarde quando a vida lhe exigiu tal posição: pediu demissão do cargo que ocupava há pouco tempo e que foi motivo de grande parte do seu sucesso nas redes sociais. Competente que só, foi convidada de volta pela emissora, dessa vez para criar o seu próprio programa – ainda sem data de lançamento (U-H-U!).

Feminista assumida, Gabi (os amigos pronunciam Gábi) desmonta o clichê de que para uma mulher gostar e entender de política, é preciso ser sisuda. Fora das telas e das suas próprias redes de comunicação (ela também tem um canal no YouTube), a advogada adora se informar e consumir moda e beleza, pretende criar um clube do livro e não dispensa uma boa balada – nada incomum para quem é casada um DJ famoso, Thiago Mansur, e vive colada na amiga Anitta (apenas).

Sempre com o astral lá em cima, não hesitou ao dizer sim para o convite de ser fotografada para este editorial à distância, sem ajuda de uma equipe in loco - e, mesmo nunca tendo modelado e quando a internet não ajudava no processo, tirou de letra. Ok, isso não é nenhuma grande questão para quem e se diz a pessoa mais corajosa e medrosa do mundo.

Nesta entrevista – que também concedeu à distância sempre com o mesmo tom de voz doce e pedindo ajuda ao marido para lembrar de passagens da vida – ela joga a real sobre assuntos polêmicos e fala sobre os planos para o futuro.

DSCF1112 387

Garotas Estúpidas: Qual é a sua formação? Em que momento da vida percebeu que queria fazer isso da vida? 

Gabriela Prioli: Eu sou advogada, me formei na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, e depois fiz mestrado na USP em Direito Penal. Eu sempre fui uma pessoa muito preocupada com a questão da justiça. Desde sempre gostava de discutir esses assuntos e me fazer respeitada pelo meu ponto de vista. Sempre me coloquei para defender as pessoas que tinham dificuldade de falar em sua própria defesa e, por isso, me diziam que eu seria uma boa advogada.

Acredito que comecei a me interessar primeiro pelo Direito Penal, que foi o que me levou para o Direito como um todo. Pela minha história de vida, percebi que as pessoas são tratadas de maneiras distintas e que a força repressiva do Estado atua de determinada maneira em relação a pessoas em diferentes condições socioeconômicas e de raças e isso me incomodava. No segundo colegial eu cursei uma matéria eletiva que chamava Psicologia Social e foi aí que comecei a me interessar cada vez mais por assuntos que têm relação com a criminologia. Assim fui parar no Direito.

Garotas Estúpidas: Já pensou em exercer outra profissão? Qual?

Gabriela Prioli: Na época do vestibular eu prestei Direito e Jornalismo. Acabei fazendo o primeiro, mas nunca abandonei a ideia de comunicar. Eu gosto muito de compartilhar aquilo que aprendo, fico feliz fazendo isso. Foi um caminho que se desenvolveu aos pouquinhos, mas se desenvolveu de maneira natural e estou aqui hoje exercendo os dois mundos.

Garotas Estúpidas: Quem são suas mentoras e mentores? Para quem pede conselhos quando bate a dúvida?

Gabriela Prioli: Eu tenho a sorte de ter muitos bons amigos que me ajudam. Mas, com certeza, o Thiago (Mansur), que está comigo sempre e me ajuda em tudo o que eu decido. A Anitta e a Camila (Coutinho), que, me ajudou demais. Além da minha mãe, claro, que é a minha melhor amiga em todos os aspectos.

Garotas Estúpidas: Como você começou a trabalhar na CNN? Como foi o convite?

Gabriela Prioli: Depois de ler a dissertação “A influência da repressão penal sobre o usuário de crack na busca por tratamento”, que defendi no mestrado que fiz na USP, Leandro Cipoloni, até então diretor de gestão de jornalismo da Record, me convidou para algumas vezes para participar de debates na emissora. Participei de alguns, ele gostou do meu trabalho e me ofereceu um cargo fixo. Na época não aceitei, mas acabamos ficando amigos e, quando ele virou vice-presidente de jornalismo na CNN, me convidou para assumir a bancada de O Grande Debate e eu fui.

Garotas Estúpidas: O que te motivou a tomar novos rumos na carreira e aceitar um convite para trabalhar na TV como jornalista? O que esperava dessa mudança?

Gabriela Prioli: O que me motivou a aceitar o convite foi pensar que eu teria mais espaço para compartilhar o que eu considero ser um conteúdo de qualidade. Tanto que a minha maior preocupação durante todo esse tempo e algo que eu sempre faço questão de explicitar é que eu me preparo, seja para o debate, seja para uma fala sozinha de análise, seja para um vídeo que eu faço nas redes sociais... Tudo isso é fruto de dedicação e preparo porque eu tenho muita responsabilidade com o que eu entrego. Eu não quero a visibilidade pela visibilidade, eu quero a chance de estabelecer com as pessoas uma relação de confiança para que elas se sintam totalmente confortável com aquilo que eu transmito. Até porque eu não acredito muito nessa coisa de ser um oráculo, nem ter um dom especial, não é assim que eu quero me posicionar. Eu acho que eu trago para as pessoas uma análise, que é fruto da avaliação das fontes de informação disponíveis, do meu repertório, mas que é plenamente passível de ser repensado pelas pessoas que consomem. Sei que nem todo mundo tem tempo para ler os artigos e livros que eu leio, afinal não trabalham com isso. Penso que a relação é o interlocutor confiar em mim e eu olhar para ele e transmitir informação de qualidade. E, é claro que se as pessoas quiserem fazer críticas, a gente vai construindo novos diálogos e evoluindo juntos a partir daí. O que a TV e as redes sociais me dão é justamente isso: a possibilidade de trocar com as pessoas.

Garotas Estúpidas: Trabalhar ao vivo sempre traz uma tensão extra, especialmente quando tratamos de notícias tão importantes e impassíveis de erros. Como foi começar nesse mundo? Quais mudanças você percebe desde o seu início até hoje? 

Gabriela Prioli: Apesar de eu ter costume de falar em público, o estúdio de uma redação de jornalismo ao vivo é muito diferente do ambiente de advocacia que eu estou acostumada. Em uma sustentação oral, eu tenho 15 minutos diretos para falar, na TV é uma fala mais dividida. No começo eu ficava muito nervosa e achava engraçado porque as pessoas diziam que eu parecia estar calma. Foi como todo o processo de começar algo novo. Sei que muita gente tem dificuldade de falar em público e não fala por causa disso, então queria dizer que eu também tenho. Hoje melhorou bastante, mas ainda fico tensa.

DSCF1097 368 copy
DSCF1097 368

Garotas Estúpidas: Você teve uma indisposição com seus colegas de trabalho porque eles te interromperam, desconsideraram sua opinião em um programa que propunha debate e tiveram um posicionamento machista. Ao mesmo tempo, você tem em casa um parceiro que te apoia e foi bastante firme nesse momento difícil. Qual você acha que é o papel da masculinidade no novo mundo com cada vez mais liderança feminina?

Gabriela Prioli: Eu acho que todo mundo, homens e mulheres, têm que se conscientizar em relação aos novos papéis que as mulheres estão assumindo e isso também é fruto de reflexão. A gente tem que sempre refletir sobre os nossos comportamentos e ver como podemos nos aprimorar.

O Thiago (Mansur) é realmente um grande parceiro e é uma pessoa que está e esteve ao meu lado em todos os meus projetos, que acredita em mim inquestionavelmente, que é o meu maior entusiasta. Eu acho que a maneira como ele lida muito bem com o meu protagonismo tem muito a ver com o fato de ele ter sido criado por uma mulher protagonista. O Thiago perdeu o pai quando tinha seis meses de idade e a sua mãe é uma mulher muito forte. Ele tem essa figura como centro do universo. Esse também foi o meu caso e do meu irmão, que fomos criados pela minha mãe.

Acho que o nosso comportamento em relação ao protagonismo feminino deve ser uma avaliação constante, só assim podemos entender de que maneira podemos melhorar o mundo ao nosso redor. É evolução, sempre.

Garotas Estúpidas: Por que decidiu voltar para a CNN e aceitar a proposta de um novo programa depois do acontecido?

Gabriela Prioli: Eu não acredito que as coisas são definitivas. Acho que a crítica deve servir como um ensejo para a gente construir a partir dela e não como uma estratégia de aniquilação. Acredito numa construção consciente a partir de uma reflexão gerada pela crítica e é isso que eu estou tentando fazer: construir algo melhor que tenha a minha cara, em que eu acredito, a partir da crítica. Por isso aceitei voltar para a CNN.

Garotas Estúpidas: Além do episódio machista em si, você ainda precisou lidar com haters nas redes sociais e até ameaças de morte. Como você passou por isso? O que fez para continuar firme e forte? 

Gabriela Prioli: Algo que eu aprendi e me ajuda muito é sempre lembrar que eu só sou responsável pelo que eu faço, só tenho controle das minhas ações. E aí vem uma necessidade de me desensibilizar em relação ao que vem das redes sociais porque as pessoas se escondem por trás dos perfis. Muita gente que adota um tom agressivo para chamar a atenção; tem que, de fato, é agressivo, mas está escondido. A gente tem que tomar cuidado apenas para não se tornar vítima e nem refém do elogio. Nesses momentos eu sempre volto para o que eu acredito.

DSCF1129 404

Garotas Estúpidas: Você chorou em algum momento? O que sentiu exatamente? 

Gabriela Prioli: Chorei, sim. Chorei durante esse período de muita novidade e turbulência. Não chorei um choro apenas de tristeza, mas de cansaço. Me entristece ver que as pessoas estão cultivando um ambiente de ódio na internet - mesmo em episódios que não me dizem respeito. A disseminação de sentimentos ruins faz mal não apenas para quem recebe a mensagem, mas para quem propaga. Uma pessoa que entra na internet para agredir outra pessoa não está bem e isso me deixa triste. Nenhum comentário isolado nas minhas redes me fez chorar, mas a falta de empatia. É uma obviedade, mas, por trás de todo perfil existe um ser humano. A gente nunca sabe pelo que os outros estão passando, não custa ser gentil.

 

Garotas Estúpidas: Por causa dos últimos acontecimentos, sua vida virou de cabeça para baixo e você virou celebridade e a fada sensata do Brasil em quinze dias. Como foi isso para você? Esperava que fosse acontecer em algum momento? 

Gabriela Prioli: Então, virar a fada sensata né... eu fico feliz que as pessoas me vejam dessa maneira, mas o que eu gosto de reforçar sempre é que o meu trabalho é fruto de dedicação, estudo e responsabilidade. Eu não esperava que a resposta das pessoas seria assim. Fico feliz com o reconhecimento e confesso que acho um pouco aflitivo às vezes com a quantidade de pessoas que me seguem. Eu sempre tive uma relação muito próxima com as pessoas que me acompanham, por exemplo. E ultimamente tem sido mais difícil responder com rapidez a todo mundo. Mas, como quero manter essa proximidade, hoje já tenho ajuda com a moderação dos comentários - até porque nem sempre são comentários bons e acho um desgaste de energia ler os maldosos (que são poucos), por exemplo. Mas, foi uma surpresa. É estranho, mas é muito legal. É um reflexo do meu trabalho e penso que, por essa ser a resposta, devo estar fazendo um trabalho legal, então fico satisfeita com isso. Mas, eu estou em constante evolução.

Garotas Estúpidas: Por que você acha que seu sucesso foi tão certeiro e sua aceitação tão grande?

Gabriela Prioli: Olha, não sei dizer porque foi tão certeiro. Não consigo fazer essa avaliação como especialista em redes sociais, por exemplo. Mas, o que eu acho é que eu sempre me comunico com muita honestidade, eu sou muito transparente na comunicação. Acho que isso é bom e as pessoas percebem. Hoje em dia é nossa obrigação falar sempre a verdade.

Garotas Estúpidas: Você é uma mulher linda, loira e de olhos azuis. Está totalmente dentro dos padrões de beleza impostos pela sociedade. Muitas vezes mulheres assim são tidas como incompetentes e apenas bonitas em ambientes de trabalho - especialmente quando é majoritariamente masculino, como o seu. Em algum momento isso foi um empecilho na sua carreira? Já sentiu algum preconceito nesse sentido?

Gabriela Prioli: Eu acho que a beleza é um conceito relativo. É um clichê, mas a beleza está nos olhos de quem vê. Existe um padrão, mas isso não significa que são só bonitas as pessoas que seguem ou estão dentro desse padrão. O que eu acho que já foi um empecilho para mim, na verdade, é a questão da vaidade e da multiplicidade dos gostos, das diferentes formas de manifestação da minha personalidade. Gosto muito de estudar e me aprofundar sobre os temas que avalio serem importantes. Eu gosto muito de literatura, mas também de maquiagem. Eu sou uma pessoa vaidosa e isso já foi usado pelas pessoas para tentar tirar a minha credibilidade. Quando eu comecei na advocacia lembro que as pessoas me diziam para prender o cabelo, usar óculos, tomar cuidado com as roupas que eu escolhia porque poderiam me acusar de ser uma pessoa fútil e de não ser tão boa. Sempre gosto de comunicar com muita ênfase todas as facetas da minha personalidade porque a gente precisa quebrar esse paradigma de que precisamos nos colocar numa caixinha da expectativa dos outros ou do padrão. Eu posso ser uma pessoa dedicada, responsável, comprometida com o meu trabalho e, ao mesmo tempo, gostar de moda, ser vaidosa e fazer coisas diferentes na minha vida pessoa. É importante a gente insistir em comunicar isso porque abre espaço para que as pessoas possam ser múltiplas sem serem julgadas. Eu faço questão de não me submeter a essa expectativa do mundo, da cobrança para que eu me encaixe em um padrão. É importante mostrar que a gente não precisa se encaixar no padrão.

Garotas Estúpidas: Você acha que as mulheres ainda precisam se provar boas profissionais para serem reconhecidas como os homens?

Gabriela Prioli: Depende, nem sempre. Mas, às vezes a mulher tem que passar por cima de muitas cobranças relacionadas ao seu comportamento. O seu posicionamento no mundo pode ser recebido de formas diferentes por pessoas diferentes. Se você é muito forte, pode ser vista como agressiva. Se é muito vaidosa, como fútil. Esses julgamentos são mais intensos em relação as mulheres. O que eu acho pior de tudo é que muitos dos nossos traços de personalidade são usados como estratégia para nos descredibilizar.

Garotas Estúpidas: Você é feminista? Como foi se descobrir feminista? 

Gabriela Prioli: Sim, sou feminista. Me descobrir como uma foi muito natural. Eu entendo o feminismo como uma busca pela equidade entre homens e mulheres. Minha família é repleta de mulheres fortes - minha bisavó já trabalhava fora de casa, a minha avó materna era cantora lírica. Minha mãe ficou viúva quando eu tinha seis anos e sempre me disse que eu posso falar o que eu quiser para quem eu quiser, a única coisa que eu não posso é desrespeitar os outros.

Garotas Estúpidas: Qual foi o melhor conselho que uma mulher te deu? 

Gabriela Prioli: Na verdade não foi um conselho de apenas uma mulher, mas uma união de vários conselhos: se aproprie da sua história, de quem você é, é aí que está a sua força. Não apenas do que é bom, mas do seu ser como um todo. É assim que você se torna menos suscetível ao questionamento dos outros. É também o conselho que eu dou para todo mundo.

DSCF1032 303

Garotas Estúpidas: Você prega a descriminalização do uso das drogas e tem, inclusive, teses publicadas sobre o assunto. Você já usou algum tipo de droga? Qual? Como foi a experiência? 

Gabriela Prioli: Nunca usei nada além de álcool. No começo da faculdade tive uma postura bem menos liberal em relação às drogas. Conclui parte do meu curso de Direito em Portugal, na Universidade do Porto, numa época em que estava sendo discutida a descriminalização do uso de drogas e isso começou a abrir minha cabeça. Fiz um trabalho no final da faculdade sobre drogas sintéticas e comecei a me interessar mais por esse tema.

Garotas Estúpidas: Você gosta de moda? Qual considera ser o seu estilo? Tem alguma peça de estimação? 

Gabriela Prioli: Gosto. Me considero uma pessoa básica, mas que se interessa por moda e gosta de acompanhar tendências. Não tenho nada muito de estimação, mas adoro sapatos! Sempre gostei. Quando eu era criança, a minha brincadeira preferida era dar a volta no quarteirão vestindo as roupas da minha mãe. Lembro especificamente de uma bota de franjas maravilhosa. Eu colocava aquela bota e me sentia invencível.

Acho que a roupa e a moda fazem parte da construção da imagem que queremos passar. Elas dão segurança para enfrentarmos algumas situações.

Garotas Estúpidas: E de beleza? 

Gabriela Prioli: Eu gosto de maquiagem, mas nada muito pesado. Adoro conhecer novidades e experimentar. Mas, tanto na moda como na beleza, gosto de ser livre para me arrumar quando eu quiser e sair de cara lavada e sem nenhuma produção especial quando eu quiser também. Não pretendo estar arrumada sempre que sair de casa.

Garotas Estúpidas: O que você gosta de fazer quando ninguém está olhando? 

Gabriela Prioli: Ouvir pagode dos anos 90 e dançar na sala. Faço quando as pessoas estão olhando também (risos).

Garotas Estúpidas: Você pretende ter filhos? Como se sente em relação a cobrança da maternidade imposta pela sociedade? 

Gabriela Prioli: Pretendo ter ou adotar. Já senti essa pressão, sim, e me sinto em relação a ela da mesma forma que me sinto em relação a qualquer cobrança. Acredito que cada pessoa deve decidir o que quer da sua vida e deixar o outro decidir sobre a sua. Cada um no seu espaço de liberdade.

Garotas Estúpidas: Você é casada há quanto tempo? Como se conheceram? 

Gabriela Prioli: Não nos casamos oficialmente ainda, mas moramos juntos há quatro anos. Eu e o Thiago (Mansur, DJ de 36 anos) nos conhecemos na academia. Começamos a namorar depois de um mês saindo e fomos morar juntos dali duas semanas. Ele é o homem mais lindo que eu conheço.

DSCF1119 394

Garotas Estúpidas: Você já sofreu por amor? 

Gabriela Prioli: Já. Qualquer amor? O meu maior sofrimento por amor é não ter convivido mais tempo com o meu pai. A saudade que eu tenho dele é o maior sofrimento por amor que eu já conheci.

Sobre relacionamentos, sofri mais pelos que não eram saudáveis. Como a maioria das mulheres que eu conheço, já estive em um relacionamento abusivo e foi difícil sair dele. Um grande problema é que a gente costuma dizer que relacionamentos são difíceis, que conviver não é fácil e, quando eu estava num relacionamento abusivo, isso me deixava muito confusa. Eu via que o que eu estava vivendo não era bom, mas eu pensava “será que essa não é a coisa que todo mundo fala?”. Então, agora que encontrei um relacionamento saudável, faço questão de dizer o quanto ele é bom para desconstruir isso

Acho que aqui cabe um conselho: se você acha que tem algo errado no seu relacionamento, busque ajuda, converse com as pessoas, procure sempre se fortalecer buscando quem você é. O relacionamento abusivo vai te desconstruindo e te fragilizando aos poucos e, no final, é difícil se lembrar de quem se era antes dele.

Eu não tive só um relacionamento abusivo. Precisei de algum tempo para entender que, na verdade, eu buscava esse padrão, me colocava neles. Tive que amadurecer para sair disso.

Então, se você acha que está vivendo um, não tenha vergonha de falar. Todas as pessoas estão tentando viver da melhor maneira possível, assim como você.

Garotas Estúpidas: Pelo que acompanho do seu Instagram você é uma pessoa bastante ativa, que adora viajar. Como está sendo esse momento de isolamento social para você? Como tem passado os seus dias? Aprendeu algo novo? 

Gabriela Prioli: Eu sou muito ativa, mas também gosto muito de ficar em casa. Meu isolamento está coincidindo com uma mudança muito grande na minha vida, então tenho muita coisa pra fazer. Não sinto tanto a falta de fazer coisas, mas mais saudades da minha mãe, do meu irmão, das pessoas que eu não posso abraçar e beijar.

Garotas Estúpidas: E depois? Quais são os próximos passos de Gabi Prioli? 

Gabriela Prioli: Olha, eu tenho vários projetos. Eu quero investir no meu canal no YouTube, nas minhas plataformas e redes sociais para manter esse contato direto e constante com as pessoas que me acompanham. Estou trabalhando em um novo projeto para a CNN. Também em um outro projeto pelo qual tenho muito carinho e queria colocar de pé o mais rápido possível porque todo mundo me pede. É um tema que as pessoas gostam muito de dividir comigo, que é um clube do livro – as pessoas sempre me pedem dica de leitura, elas gostam quando eu falo de livro no meu canal no YouTube. Além disso, eu gostaria de dar cursos porque eu sou professora né... Mas, é tudo embrionário porque tudo tem o meu controle e, por isso, preciso desenvolver as coisas com calma, assim não assumo mais projetos do que consigo tocar e nada perde a qualidade.

 

Entrevista: @oliviaanicoletti

Edição: @rafaelnasc e @nelizedezzen

Fotos: @joaoarraes

Beleza: @kaká.oliveira

QUEM ESCREVE
Nelize Dezzen
| Team GE
VER COMENTÁRIOS / COMENTAR
COMPARTILHAR
GOSTOU?

Luísa sem máscara

17/02/20 Moda | Por Isabela Serafim

Eleita uma das personalidades mais poderosas do país abaixo dos 30 anos (ela tem 21!) e com a carreira em constante ascensão, a cantora Luísa Sonza dá mais um passo em meio à folia: desfilar na Sapucaí pela Grande Rio e em seu primeiro bloco de Carnaval, o Sonzeira

200129_GAROTAS ESTUPIDAS 0241 PB-CAPA
Calça Levi's, preço sob consulta

Para Luísa Sonza, a astrologia é um ótimo jeito de começar uma conversa. "Melhor do que falar sobre o tempo", me contou logo depois de dizer que é canceriana com ascendente em áries e lua em touro. Para quem não é do time dos astros, podemos dizer que a jovem é intensa, tem personalidade forte e também um pé no chão que engana sua idade, 21 anos. Mas isso tudo também é fruto de sua experiência de vida. Luísa é do interior do Rio Grande do Sul, começou a trabalhar aos 7 anos em uma banda que tocava em festas e casamentos e viu no Youtube um jeito acessível – mas nada fácil! – de acontecer na música. Seu canal, que começou com vídeos de covers de artistas famosos, hoje contabiliza mais 4 milhões de inscritos. Só no Insta, ela tem 16 milhões de seguidores. E foi eleita no mês passado uma das pessoas mais poderosas do país com menos de 30 anos pela Forbes. Nossa capa de fevereiro conta a seguir as dores e delícias de ser Luísa Sonza, autêntica e sem máscara.

WhatsApp Image 2020-02-17 at 19.30.50
Camiseta Love 1985, R$ 98

GAROTAS ESTÚPIDAS: Você começou a trabalhar com 7 anos e hoje, aos 21, já conquistou muita coisa. Como enxerga a sua trajetória?
Luísa Sonza: É muito louco ver que meu sonho se realizou. Eu sou de Tuparendi, uma cidade de 6 mil habitantes no interior do Rio Grande do Sul, cantei em uma banda de casamento durante 10 anos e passei por vários "perrengues". Não foi uma infância normal. Tive que lidar muitas responsabilidades muito cedo, abrir mão de muita coisa. Coisas meio básicas na infância e adolescência, tipo dormir na casa da amiga, porque eu trabalhava muito de final de semana. Cheguei a fazer 20 shows em um mês! Mas escolheria isso mil vezes, em todas as vidas. Isso me fez crescer demais. Acho que só consigo lidar com tudo hoje por ter tido um caminho diferente.

GE: Você costuma falar que as mulheres gaúchas nascem com a "faca na bota". Quem são as mulheres que te inspiram?
Luísa Sonza: Vim de uma família de mulheres muito fortes. Tudo o que vi, de bom e ruim, peguei para mim como exemplo. Sou muito observadora e aprendo com o erro dos outros Minha avó, minha mãe e minhas tias sempre foram mulheres de muita personalidade e força. Tiveram uma história difícil em relação a tudo. Minha avó é uma mulher que precisou cuidar sozinha de três filhas quando o meu avô foi assassinado. Fiz uma música para a minha mãe ["Eliane", lançada em 2019] e coloquei ela, minha avó e minha irmã no clipe. Elas me inspiram muito. A Luísa artista tem muito da minha mãe. Ela é professora de dança e educação física e sempre me incentivou a dançar, fazer esporte, ser desinibida, não me importar com os outros. Ela tinha uma coisa que entrou na minha cabeça que é "não dependa de homem".

GE: Você foi eleita uma das pessoas mais poderosas do país abaixo dos 30 pela Forbes. Como recebeu a notícia? 
Luísa Sonza: Foi como ganhar um troféu. Eu vejo muito como a prova do quanto vale a pena trabalhar e correr atrás dos sonhos. E fiz questão de expor bastante para mostrar para as mulheres o que a gente pode fazer. A sociedade tem dificuldade de ver mulheres no topo. Esse é meu maior sonho. Eu quero que as mulheres sejam a maioria. Que as minorias sejam a maioria. Falo de mulher porque é meu lugar de fala, mas acho que as minorias têm que parar de ser minorias, porque nós somos a maioria. Foi um momento importante pra mim e serviu para mostrar que a gente consegue ser uma mulher de negócios, rebolar a bunda, se divertir, cuidar da pele, da mente, ter o próprio dinheiro e manter a independência financeira e emocional.

GE: Acho que nem preciso perguntar se você é feminista. Como vê o movimento hoje e qual é importância de falarmos cada vez mais sobre os padrões de beleza e autoestima?
Luísa Sonza
: Acho que só não é feminista quem não sabe o que é feminismo. E se uma pessoa não é feminista, ela é uma vítima da sociedade. E não podemos ficar com raiva. Nesse contexto, é muito importante falarmos de autoestima. Ser julgada pelo corpo não é algo que deveria acontecer. É muito sério que em 2020 a gente ainda veja pessoas falando sobre os corpos das outras. Precisamos discutir isso hoje para que um dia a diversidade de corpos seja apenas um fato, sem mais questões.

GE: Como é a sua relação com o seu corpo?
Luísa Sonza: Eu sempre fui muito segura do meu corpo, sempre tive uma autoestima elevada. Quando começava a ter uns pensamentos que não eram legais, me policiava. Isso é tão banal perto do que a gente pode ser… Temos tantas coisas para mostrar, que não vale a pena ficar infeliz com o nosso corpo e o peso o tempo todo. Eu vivo mais preocupada com a minha mente, com o que eu vou passar para as pessoas. O ser humano vai além do corpo. E o nosso corpo é a nossa casa. Temos que pensar nele com amor. Já tive vergonha do meu corpo, sim, mas me esforço para barrar essas ideias. É claro que é mais fácil chegar nesse lugar porque sou padrão. Tenho consciência de todos os meus privilégios. Mas não quero ser famosa pela aparência, e sim pela minha música, pelas coisas que eu falo. Já coloquei preenchimento nos lábios porque achei que ficaria legal. Porém já me sentia bem sem preenchimento. E não sou mais bonita que ninguém. Não me sinto mais bonita do que alguém que está fora do padrão. Quero que todo mundo se ache bonita. E quero ser uma mulher com voz pra falar e ajudar outras mulheres.

WhatsApp Image 2020-02-17 at 19.36.21
Camiseta Minha Avó Tinha, preço sob consulta

GE: Você é uma pessoa que cresceu nos palcos e há alguns anos nas redes sociais. Quais situações foram mais complicadas de enfrentar? 
Luísa Sonza: Eu lido bem. Me adapto fácil às coisas. E penso que é assim, então não preciso ficar me questionando. A realidade é essa e prefiro lidar com a realidade. O que já foi muito difícil pra mim foi a imprensa, quando as pessoas mudam minhas palavras de uma forma que possam atingir outras pessoas. Me machuca. Eu não ligo se alguém inventar algo sobre mim, se eu fiz alguma cirurgia e tal. Mas quando dizem que eu falei algo que não falei ou quando não foi essa a minha intenção, me incomoda demais. Ainda estou aprendendo a lidar. Dificilmente uma entrevista sai da forma como falei.

GE: As celebridades de antes tinham um contato diferente com os fãs: cartas, imprensa... Você tem um canal direto com os seus. Como é isso pra você? 
Luísa Sonza: Hoje, com as redes sociais, meu contato com os fãs é constante. Também converso sempre com os meus fãs clubes… Nos shows, temos um contato sempre próximo. Amo estar com eles e receber todo apoio e carinho! Cada mensagem e cada abraço me enchem de energia para continuar.

GE: Recentemente rolou na internet que o seu casamento com o Whindersson Nunes estava "por um fio" e vocês até ironizaram o caso. Como foi isso?
Luísa Sonza: Essa notícia é tão impossível de acontecer... Tiramos muito sarro. É uma história que não atinge outras pessoas. E nós temos muita segurança no nosso casamento, que é incrível. Nem ligamos. Ainda fiquei pensando que a gente dá muita audiência, porque estão inventando coisas desse tipo faz tempo. E eu acho a especulação sempre engraçada: "Ela postou uma foto e ele não curtiu". Um casamento de 4 anos e estão especulando que uma foto vai significar algo. Nesse caso específico a mídia não me afetou.

GE: Você sempre se mostra muito consciente na sua relação com o Whindersson. Costuma pensar sobre ter se casado muito nova? 
Luísa Sonza: Sou muito questionada sobre isso. Acho que sou um nova que não é nova. Tenho minha independência. Casei independente, tendo emprego, dinheiro, uma vida. Comecei a trabalhar com 7. Sou muito precoce. Casei cedo porque comecei a viver muito mais cedo. Além disso, não temos um casamento "tradicional", a gente continua tendo nossa vida, nossa independência. Pra mim, esse tipo de casamento é o ideal. Eu encontrei o Whindersson e ele é o amor da minha vida. E se alguém quiser casar cedo de outras maneiras, tudo bem também.

Cópia de 200129_GAROTAS ESTUPIDAS PB 0280-PREVIEW1

GE: O que acha da monogamia? Teria um relacionamento aberto? 
Luísa Sonza: Eu acho que o relacionamento aberto funciona. O meu relacionamento não é aberto, mas acredito que pode dar certo. Essa discussão é muito importante hoje, mas estou bem e feliz assim.

GE: Você está comprometida há 4 anos. É a amiga conselheira? Como é ouvir as amigas contando sobre os aplicativos de paquera? 
Luísa Sonza: Sou! Eu adoro ser a conselheira. Gosto de ouvir, de aprender como funciona a cabeça e o relacionamento de outras pessoas. Adoro falar sobre o relacionamento saudável, que é como vejo o meu. Acho que um relacionamento deve ser leve, não deve ter pressão. E acho ótimo que as mulheres estão finalmente fazendo o que querem fazer. Que continue assim. Que elas sejam cada vez mais donas das próprias vidas, das suas escolhas.

GE: O tema da nossa edição é Carnaval. Qual é a sua relação com a folia? 
Luísa Sonza: O Carnaval esse ano vai ser realmente muito especial. É a primeira vez que desfilo na Sapucaí, pela Grande Rio, uma escola de samba que me abraçou. O Carnaval muda a vida das pessoas, desde as que estão ali acreditando e trabalhando na sua escola às que estão pulando na rua. É uma festa acessível, em que os artistas podem cantar pra todo mundo. E todo mundo é igual. Esse ano também lancei meu bloco, com o meu trio, o Sonzeira, que foi para a rua no dia 16. Carnaval é um momento de muito amor, alegria, liberdade, de lutar por causas, com as escolas de samba e seus temas. É uma grande manifestação humana. Hora de transbordar. Conexão pura.

GE: E no Carnaval você coloca ou tira a máscara? 
Luísa Sonza: Eu sempre sou a mesma Luísa. O tempo todo. Não tenho momentos em que eu coloque ou precise tirar uma máscara. A não ser quando estou atuando, que aí abro mão da Luísa para encarar um personagem.

WhatsApp Image 2020-02-17 at 19.34.32
Camisa Polo Lacoste, R$ 449; biquíni Água de Sal, R$ 189; chapéu Marsela, R$ 90; braceletes acervo; meias acervo; sandálias Birkenstock, R$ 449,90

GE: Quem é a Luísa Sonza quando ninguém está olhando?
Luísa Sonza: Uma Luísa mais vulnerável. A única coisa que faço sozinha é ser mais menina, mais criança. No meu trabalho preciso ser adulta, centrada, correta. E sou uma menina de 21 anos, um neném. Quero ter cada vez menos medo de ser vulnerável. Quando você finge que é forte o tempo todo mostra mais fraqueza do que quando realmente mostra a sua fraqueza. E a verdade é que sou muito sensível, sinto todas as emoções. Sou canceriana.

GE: Você já falou no Twitter sobre estar com depressão. Como lidou com isso? Acha importante usar seu poder de influência para falar do assunto? E quais são os cuidados que você exerce em relação a esse poder de influência?
Luísa Sonza: É um tema delicado, porém é importante falarmos sobre para encorajar e mostrar que precisamos e podemos buscar ajuda. Tento utilizar minha voz como pessoa pública exatamente para mostrar que a doença é mais comum do que pensamos, e que precisamos cuidar cada vez mais da nossa mente e ficar atentos aos nossos amigos e família para ajudá-los sempre.

GE: Você fica muito no celular? Isso afeta a sua saúde mental? 
Luísa Sonza: Adoro ficar sem celular. Eu sou zero redes sociais. Acho até que teria que mostrar mais, falar mais. Não sou muito a pessoa que pega toda hora o celular pra fazer um story. Não sou tão ligada, por mais que eu seja da geração dos nativos digitais. Mas ainda fico muito no celular quando estou trabalhando. Essa parte é a que estou tentando me policiar. Às vezes, dá 2h da manhã e eu estou conversando com a minha equipe. Faço muita terapia e aprendi a nunca levar como verdade as mentiras que falam sobre mim na internet. Tento não ligar para os haters. Mas sou um ser humano também e às vezes fico chateada. Tenho o hábito de conversar muito com as pessoas que estão próximas, acho que o diálogo faz bem.

GE: Qual foi o melhor conselho que você já recebeu na vida? 
Luísa Sonza: "Seja independente. Se você quer alguma coisa, busque você". Foi da minha mãe. Quando eu era pequena e a gente ia a um restaurante, ela não pedia minha comida e dizia que se eu queria comer, deveria escolher e pedir. Quando eu brigava com alguém na escola e ela era chamada, dizia que eu deveria resolver. Eu odiava, ficava muito brava. Hoje agradeço.

Edição: Nelize Dezzen e Rafael Nascimento
Fotos: Bruna Castanheira
Styling: Victor Miranda
Beleza: Pedro Moreira
Tratamento de Imagens: Helena Colliny
Assistentes de Foto: Leandro Bugni e Beatriz Garbieri ⁣
Texto
: Isabela Serafim
Diagramação: Amanda Pinho

QUEM ESCREVE
Isabela Serafim
| Team GE
VER COMENTÁRIOS / COMENTAR
COMPARTILHAR
GOSTOU?

Uma outra Mari

20/12/19 Moda | Por Isabela Serafim

Aos 38 anos, Mariana Ximenes diz nunca ter aproveitado tanto a vida quanto agora. Depois de um ano cheio de mudanças e transformações, ela divide suas paixões e a alegria de viver que a maturidade trouxe

MariXi_Tau_18

Antes de me contar sua paixão por música, Mariana Ximenes já tinha respondido umas três perguntas citando frases de Caetano Veloso e Cartola. Depois disse que a amizade é o sal da vida. Mas essa é de Jorge Amado, ela mesma pontuou. Seu refúgio, a natureza, combina mesmo com seu mapa astral – sol e ascendente em touro, lua em capricórnio. É muito elemento terra. Pé no chão. Por isso, todas as mudanças de 2019 vieram como um chacoalhão na vida da atriz de 38 anos. Uma transformação necessária, de acordo com ela, que se prepara para viver a Condessa de Barral na novela "Tempos do Imperador", na Rede Globo, no próximo ano. A seguir, ela fala de carreira, redes sociais, maturidade e divide suas paixões (claro!) com a gente.

MariXi_Tau_02

Garotas Estúpidas: Fazendo um balanço do seu ano, quais foram os maiores aprendizados?
Mariana Ximenes: Foi um ano de mudanças, muito agitado e interessante. No trabalho, fiz filme, minissérie. Me mudei para São Paulo, fiz viagens incríveis. Esse foi um tempo de valorização dos meus laços. Sou muito atenta às amizades e estive cercada de amigos e afetos, foi especial. Aprendi a ter ainda mais paciência, tolerância e a entender que as mudanças são bem-vindas. Não foi fácil, mas foi muito bom.

GE: Você tem anos de experiência como atriz. Tem alguma coisa que ainda não fez e quer experimentar?
Mariana Ximenes: Tudo, rs! Tem muuuita coisa pra fazer ainda. Fiz uma comédia no ano passado que vai estrear em 2020 que chama "L.O.C.A. – Liga das Obsessivas Compulsivas por Amor" e foi o máximo. A peça "Os Altruístas", de 2011, tem uma veia cômica e foi bem emblemática. Queria fazer mais comédia, acho uma delícia. Ah, tem textos clássicos que também amo, pessoas com as quais tenho muita vontade de trabalhar…

MariXi_Tau_19
MariXi_Tau_20
MariXi_Tau_01

GE: No Festival do Rio, você usou um vestido com cartazes de filmes nacionais como manifesto e virou notícia. O que achou da repercussão?
Mariana Ximenes: Não imaginava que ia ter esse alcance e fiquei muito contente. Eu tive a ideia, falei com o Thomaz Azulay, da marca The Paradise, e fizemos tudo na loucura para vestir poucos dias depois. Foi uma delícia revisitar esses filmes, fazer a curadoria do que iria aparecer no vestido ao lado dele. Tinha acabado de rolar o caso da Ancine [A Agência Nacional do Cinema retirou cartazes de filmes brasileiros de sua sede e do site], estamos vivendo um momento complicado para a cultura agora. Fala-se que o artista se beneficia dos recursos do governo e não é verdade. O próprio Festival do Rio, que aconteceu com financiamento coletivo, foi um sinônimo de resistência. Acho que agora é a hora de nos unirmos. Quem acredita nas mesmas coisas precisa estar junto, reforçando o coletivo.

MariXi_Tau_15

GE: O que mais te engaja verdadeiramente?
Mariana Ximenes: Estudei muito o feminismo e o feminino. Gosto de falar do feminino também. Tenho um grupo em que debatemos muito o assunto, participamos de aulas e isso sempre me nutriu. Adoro ler Sueli Carneiro, Djamila, Angela Davis. É importante pra mim estar em rodas de mulheres com recortes diferentes. Além disso, me engajei bastante na tragédia ambiental da cidade de Mariana, em Minas Gerais [o rompimento de uma barragem soterrou a cidade e seus arredores de lama em 2015]. Fui até lá, gravamos a campanha "Não esqueça Mariana", que ganhou até prêmio. Ah, também colaboro com projetos bacanas, como a Casa Spectaculu, da Marisa Orth e do cenógrafo Gringo Cardia.

GE: E quais são as suas maiores paixões?
Mariana Ximenes: Ah! Tanta coisa! Eu amo música, comida, arte. E natureza, então? Tudo de natureza. Mar, areia, cachoeira. Amo mergulhar. É só me chamar que eu vou. Ficar no meio do mato é o que me faz mais feliz!

MariXi_Tau_21

GE: Falando em paixão...Como tá esse coração?
Mariana Ximenes
: Muito bem, muito feliz. Estou namorando há 2 anos o músico Felipe Fernandes. Sou um pouco mais discreta em relação à vida amorosa, gosto de me reservar e viver os momentos.

GE: O que a Mariana de 38 anos gostaria de contar pra Mariana de 20?
Mariana Ximenes: Acho que eu falaria: "Vai lá, garota! Aproveita muito a vida como eu aproveito hoje! E baixa a ansiedade, porque como o Cartola canta 'Tudo no mundo, acontece'".

GE: Como você lida com o envelhecimento?
Mariana Ximenes: Tudo é diferente. O tempo passa e tem uma ação. Não tem jeito. Quando eu penso no tempo, lembro da música "Oração ao Tempo", do Caetano. Ele fala "Compositor de destinos [...] Entro num acordo contigo [...] E o movimento preciso". Gosto de pensar no tempo e no movimento. Quando eu olho pra Fernanda Montenegro, por exemplo, vejo que o tempo está nas escolhas dela, no corpo, no movimento. A Jane Fonda deu uma entrevista que me deixou comovida uma vez. Ela disse que não queria deixar a vida dela sem uma luta, sem um sentido. Ela tem uma força que só o tempo traz. Acho que é isso: o tempo traz força. Quando olho pra trás, lembro da minha bagagem, da minha trajetória, da minha família, das pessoas que amo. Isso me traz paz.

MariXi_Tau_10

GE: Seu perfil no Instagram tem 4 milhões de seguidores. Como é sua relação com as redes sociais?
Mariana Ximenes: Tento fazer um trabalho comigo mesma sempre. À noite, quando deito na cama, evito pegar o celular. Se esqueço, até o meu namorado coloca o meu aparelho longe da cabeceira. Virou a nossa regra: deitou, não mexe mais no celular. Hoje em dia eu nem tenho mais computador, tenho celular. Eu não sou daquelas que fica reportando tudo o que faço no Instagram, mas mesmo assim uso bastante. Para eu estar inteira, preciso estar focada. Se eu estivesse fazendo essa entrevista pessoalmente [falamos com a atriz ao telefone], eu teria desligado o celular e estaria olhando nos seus olhos. Tenho que estar absolutamente entregue e me dedico a fazer isso. É claro que adoro ter uma conexão próxima com meus fãs e seguidores, mas precisamos usar com parcimônia. É bom viver a vida real.

GE: Você tem metas para o ano que vem?
Mariana Ximenes: Prefiro falar em propósito. E adoro escrevê-los. O papel ainda tem o seu valor pra mim. Gosto de conhecer letras das pessoas, sou uma pessoa que manda cartão. Sobre as metas de 2020: ainda não pensei. Aliás, não sei nem onde vou passar o réveillon. Sempre vou pra Bahia ou pra Alagoas. Ou talvez eu vá para uma fazenda perto do Rio, que tem cachoeira.

GE: O que você acha que está faltando no mundo?
Mariana Ximenes: Precisamos de mais tolerância, de respeito. Olhar paro outro, se colocar no lugar do outro.

As paixões de Mariana, em lista

Música
Para dirigir: "AmarElo" - Emicida (Sample: Belchior - Sujeito de Sorte) part. Majur e Pabllo Vittar misturando Nirvana e Jorge Ben;
Para namorar: Chet Baker;
Para ouvir no parque: "In a sentimental mood" - Ella Fitzgerald;
Para cozinhar: todas as músicas do Gilberto Gil, que eu amo!;
Para dançar: Baiana System, Anitta, Queen, David Bowie;
Trilha sonora de filme: "O fabuloso destino de Amélie Poulain"  e de “Me chame pelo seu nome” porque adoro as músicas do Sufjan Stevens.
Show: Ofertório, da família Veloso, e da Maria Bethânia.
Clipe: os do Spike Jonze. E o clipe de "Sua Cara".
Livro
Cabeceira: "Mutações", da Liv Ullman;
Biografía: "Ritos do Nascer ao Parir", Mana Bernardes.
Obra de arte: o Pavilhão da Adriana Varejão, o novo do Tunga, da Claudia Andújar e o do Helio Oiticica, em Inhotim.
Filme
Clássico: "Oito e Meio", Federico Fellini;
Pop: "Pulp Fiction", Quentin Tarantino;
Brasileiro: "Central do Brasil", Walter Salles;
Contemporâneo: "A vida invisível", de Karin Ainouz.
Teatro: as peças do Felipe Irsh e também amo ir ao Teatro Oficina assistir ao Zé Celso.
Dança: o espetáculo "Fúria", de Lia Rodrigues. A Pina Bauch e a nossa Angel Vianna.
Maquiagem: ADORO delineador! A Nat Billio, que fez a nossa matéria, é uma craque!
Batom: vermelho, sempre.
Viagem: Alter do Chão, no Pará.
Praia: Praia do Sancho, em Fernando de Noronha.
Cachoeira: todas da Chapada dos Veadeiros.
Comida: Nasi Goren, que experimentei em Bali, e da chef Morena Leite, que faz lindamente aqui no Brasil. Também amo feijoada!
Doce: Brigadeiro.

Fotos: Tauana Sofia
Maquiagem: Nathalie Billio
Cabelo: Welida Souza
Styling: Júlia Feil
Diagramação: Amanda Pinho
QUEM ESCREVE
Isabela Serafim
| Team GE
VER COMENTÁRIOS / COMENTAR
COMPARTILHAR
GOSTOU?
h
comentários
15/04/20
Moda
QUEM É ESSA GAROTA?
h
comentários
17/02/20
Moda
Luísa sem máscara
h
comentários
20/12/19
Moda
Uma outra Mari
h
comentários
18/12/19
Lifestyle
A revolução de 2019: entenda por que este foi um ano de mudanças
h
comentários
22/11/19
“A Revolução de 2019”
h
comentários
04/11/19
Usar sem comprar
EDITORIAL
MODA
|
BELEZA
|
LIFESTYLE
CAMILA COUTINHO
Camila Coutinho criou o Garotas Estúpidas, primeiro blog de moda brasileiro, em 2006. De lá pra cá, a recifense virou referência no mercado nacional e internacional: em 2015 integrou a seleção “30 under 30” da Forbes Brasil e em 2017 entrou para a seleta lista BoF500 do site britânico Business of Fashion, que elege as personalidades que estão fazendo a diferença no mundo da moda; no ano seguinte lançou seu primeiro livro, “Estúpida, Eu?”, pela editora Intrínseca
j
Voltar ao Topo