Escolha uma opção de navegação: Blog/ Site
Escolha sua navegação: Site / Blog
06 ago 2018 - Por Camila Coutinho
Comentários

Nessa segunda-feira (06/08) a Editora Abril encerrou as operações de 10 títulos, entre eles nomes de grande destaque do mercado de moda e comportamento, como a Cosmopolitan, Elle e Boa Forma. Completam a lista as revistas Mundo EstranhoArquitetura e Construção, Casa Cláudia e Minha Casa e os sites Casa.com, Educar para Crescer e Bebe.com.

Em nota, o Grupo Abril informou que “está reformulando o portfólio de marcas da editora com o objetivo de garantir sua saúde operacional em um ambiente de profundas transformações tecnológicas, cujo impacto vem sendo sentido por todo o setor de mídia”. Por enquanto, continuam a apostar na Veja, Veja São Paulo, Exame, Quatro Rodas, Claudia, Saúde, Superinteressante, Viagem e Turismo, Você S/A, Você RH, Guia do Estudante, Capricho, MDE Mulher, VIP e Placar.

“É um momento muito triste para o mercado editorial. Qualquer dia que você fecha uma revista no Brasil é um dia em que você perde informação importante, de qualidade”, comentou para o GE Cris Naumovs, diretora de redação da Cosmopolitan Brasil.

Além da dificuldade em manter o negócio saudável financeiramente com vendas e publicidade em geral, revistas como a Cosmo e Elle enfrentam também o peso do licenciamento dos títulos gringos (é preciso pagar pelos direitos de publicação sob esses nomes, como se fosse uma franquia). “É um valor muito alto e que começou a ficar impraticável pro mercado brasileiro como é hoje. A gente vem observando há anos essa história do contrato, mas é uma decisão da corporação”, explicou.

ALGUMAS REFLEXÕES…

Sempre amei ler e me inspirar em revistas como essas, saí nas capas de várias delas, tenho amigos talentosíssimos que estão nessas redações, por isso sinto realmente um aperto no coração com essa notícia. É muito difícil mesmo manter o interesse no impresso quando está tudo aí livremente publicado no Instagram, Youtube e sites de notícias a qualquer hora – e a apenas um clique de distância, de graça.

“Tem uma coisa que é muito maluca pra mim que é você pagar Spotify, Netflix, mas só a informação se quer de graça. A gente – e com isso me refiro a todo mundo – precisa investir em informação de qualidade, senão ficamos na mão das fake news, aquelas coisas todas que ninguém checa e se fala o que se quiser. Ficamos sem saber no que acreditar”, aponta Cris. “Enquanto a audiência não entender isso, as coisas vão morrendo – e cada vez que morre uma revista as pessoas lamentam, mas qual foi a última vez em que compraram uma?”.

Já nem é mais aquela velha (e cansada) questão impresso x digital. “Não é ‘um ou outro’, é ‘e’, o mercado digital também precisa faturar mais. O suporte (se é papel, internet…) tanto faz, a boa informação vai estar no aplicativo, jornal, site, newsletter…”, observou.

Comunicamos que a Editora Abril, que detém os direitos de licenciamento da ELLE no Brasil, decidiu descontinuar a publicação do título a partir deste mês, tanto no impresso quanto no online. Desde que chegou ao Brasil, em 1988, a ELLE revolucionou o mercado editorial com sua linguagem inovadora, sua moda jovem e irreverente, seu lifestyle luxuoso e ao mesmo tempo acessível. Durante esses 30 anos, formou grandes profissionais, lançou e ajudou a consolidar a carreira de inúmeros fotógrafos, modelos e estilistas. Saiu na frente ao ser a primeira revista de seu segmento a ter um site, a ganhar uma edição digital para tablets, a produzir conteúdos em vídeo e a estar presente em todas as redes sociais. ELLE também foi pioneira ao ser a primeira revista de moda brasileira a defender liberdades individuais, a falar de feminismo, a se posicionar sobre questões de gênero e a dar cada vez mais espaço para a diversidade. Cumpriu seu papel de fazer um jornalismo de moda sério, moderno e engajado, compartilhando com sua audiência valores fundamentados em respeito, empatia e humanismo. Soube capturar como nenhum outro título o espírito de seu tempo e virou referência no mercado editorial brasileiro. Publicou capas históricas que foram aclamadas por aqui e internacionalmente. É com tristeza, mas sobretudo com muito orgulho, que a equipe se despede de seus leitores com a edição de agosto, que está nas bancas e fala de sustentabilidade na moda e nas relações, além de trazer belíssimas imagens registradas na Amazônia. Agradecemos imensamente a todos aqueles que nos acompanharam até aqui. Aos assinantes que nos dedicaram sua confiança e lealdade, comunicamos que a Editora Abril enviará o mais breve possível uma carta com novas informações sobre sua assinatura. #ELLEBrasil

A post shared by ELLE Brasil (@ellebrasil) on

Na minha opinião, realmente não tem mais espaço para tantos veículos impressos, e a melhor saída para sobreviver no cenário atual é investir no branding em cima do nome da revista com produtos offline, eventos, de forma que o título seja o que mantém o fascínio por uma marca, mas não necessariamente sua principal fonte. Há outros caminhos a serem explorados também, como fizeram a Capricho e a Teen Vogue, que deixaram de ter sua versão impressa para focar em edições digitais, evitando assim o fim completo de marcas tão fortes.

Todo mundo passa por reformulações – os blogs também! – e a gente tem que estar aberto às mudanças. Notícias como essa da Editora Abril só mostram o quanto é preciso valorizar também o mercado digital – cobrar os preços certos, ter direito de imagem, de criação, dar valor aos profissionais… Na prática, o mercado ainda tende a dar mais valor ao impresso (por ser mais palpável, por seu prestígio tradicional…) do que ao digital, mesmo sendo possível atingir muito mais gente com a internet. Tem muita mão de obra boa por aí, e o mercado também tem que perceber que aquela que é feita para a internet também deve ser valorizada, é preciso fortalecer essa plataforma como negócio.

A verdade é que o conteúdo nunca morre, as pessoas vão querer consumir informação sempre, mas para ter isso com qualidade é preciso um mercado forte, sem medo de ser criativo e de apostar em novos modelos.

Editora Abril fecha as revistas Elle, Cosmopolitan, Boa Forma e mais sete títulos

06 ago 2018
- Por Camila Coutinho
Comentários

Nessa segunda-feira (06/08) a Editora Abril encerrou as operações de 10 títulos, entre eles nomes de grande destaque do mercado de moda e comportamento, como a Cosmopolitan, Elle e Boa Forma. Completam a lista as revistas Mundo EstranhoArquitetura e Construção, Casa Cláudia e Minha Casa e os sites Casa.com, Educar para Crescer e Bebe.com.

Em nota, o Grupo Abril informou que “está reformulando o portfólio de marcas da editora com o objetivo de garantir sua saúde operacional em um ambiente de profundas transformações tecnológicas, cujo impacto vem sendo sentido por todo o setor de mídia”. Por enquanto, continuam a apostar na Veja, Veja São Paulo, Exame, Quatro Rodas, Claudia, Saúde, Superinteressante, Viagem e Turismo, Você S/A, Você RH, Guia do Estudante, Capricho, MDE Mulher, VIP e Placar.

“É um momento muito triste para o mercado editorial. Qualquer dia que você fecha uma revista no Brasil é um dia em que você perde informação importante, de qualidade”, comentou para o GE Cris Naumovs, diretora de redação da Cosmopolitan Brasil.

Além da dificuldade em manter o negócio saudável financeiramente com vendas e publicidade em geral, revistas como a Cosmo e Elle enfrentam também o peso do licenciamento dos títulos gringos (é preciso pagar pelos direitos de publicação sob esses nomes, como se fosse uma franquia). “É um valor muito alto e que começou a ficar impraticável pro mercado brasileiro como é hoje. A gente vem observando há anos essa história do contrato, mas é uma decisão da corporação”, explicou.

ALGUMAS REFLEXÕES…

Sempre amei ler e me inspirar em revistas como essas, saí nas capas de várias delas, tenho amigos talentosíssimos que estão nessas redações, por isso sinto realmente um aperto no coração com essa notícia. É muito difícil mesmo manter o interesse no impresso quando está tudo aí livremente publicado no Instagram, Youtube e sites de notícias a qualquer hora – e a apenas um clique de distância, de graça.

“Tem uma coisa que é muito maluca pra mim que é você pagar Spotify, Netflix, mas só a informação se quer de graça. A gente – e com isso me refiro a todo mundo – precisa investir em informação de qualidade, senão ficamos na mão das fake news, aquelas coisas todas que ninguém checa e se fala o que se quiser. Ficamos sem saber no que acreditar”, aponta Cris. “Enquanto a audiência não entender isso, as coisas vão morrendo – e cada vez que morre uma revista as pessoas lamentam, mas qual foi a última vez em que compraram uma?”.

Já nem é mais aquela velha (e cansada) questão impresso x digital. “Não é ‘um ou outro’, é ‘e’, o mercado digital também precisa faturar mais. O suporte (se é papel, internet…) tanto faz, a boa informação vai estar no aplicativo, jornal, site, newsletter…”, observou.

Comunicamos que a Editora Abril, que detém os direitos de licenciamento da ELLE no Brasil, decidiu descontinuar a publicação do título a partir deste mês, tanto no impresso quanto no online. Desde que chegou ao Brasil, em 1988, a ELLE revolucionou o mercado editorial com sua linguagem inovadora, sua moda jovem e irreverente, seu lifestyle luxuoso e ao mesmo tempo acessível. Durante esses 30 anos, formou grandes profissionais, lançou e ajudou a consolidar a carreira de inúmeros fotógrafos, modelos e estilistas. Saiu na frente ao ser a primeira revista de seu segmento a ter um site, a ganhar uma edição digital para tablets, a produzir conteúdos em vídeo e a estar presente em todas as redes sociais. ELLE também foi pioneira ao ser a primeira revista de moda brasileira a defender liberdades individuais, a falar de feminismo, a se posicionar sobre questões de gênero e a dar cada vez mais espaço para a diversidade. Cumpriu seu papel de fazer um jornalismo de moda sério, moderno e engajado, compartilhando com sua audiência valores fundamentados em respeito, empatia e humanismo. Soube capturar como nenhum outro título o espírito de seu tempo e virou referência no mercado editorial brasileiro. Publicou capas históricas que foram aclamadas por aqui e internacionalmente. É com tristeza, mas sobretudo com muito orgulho, que a equipe se despede de seus leitores com a edição de agosto, que está nas bancas e fala de sustentabilidade na moda e nas relações, além de trazer belíssimas imagens registradas na Amazônia. Agradecemos imensamente a todos aqueles que nos acompanharam até aqui. Aos assinantes que nos dedicaram sua confiança e lealdade, comunicamos que a Editora Abril enviará o mais breve possível uma carta com novas informações sobre sua assinatura. #ELLEBrasil

A post shared by ELLE Brasil (@ellebrasil) on

Na minha opinião, realmente não tem mais espaço para tantos veículos impressos, e a melhor saída para sobreviver no cenário atual é investir no branding em cima do nome da revista com produtos offline, eventos, de forma que o título seja o que mantém o fascínio por uma marca, mas não necessariamente sua principal fonte. Há outros caminhos a serem explorados também, como fizeram a Capricho e a Teen Vogue, que deixaram de ter sua versão impressa para focar em edições digitais, evitando assim o fim completo de marcas tão fortes.

Todo mundo passa por reformulações – os blogs também! – e a gente tem que estar aberto às mudanças. Notícias como essa da Editora Abril só mostram o quanto é preciso valorizar também o mercado digital – cobrar os preços certos, ter direito de imagem, de criação, dar valor aos profissionais… Na prática, o mercado ainda tende a dar mais valor ao impresso (por ser mais palpável, por seu prestígio tradicional…) do que ao digital, mesmo sendo possível atingir muito mais gente com a internet. Tem muita mão de obra boa por aí, e o mercado também tem que perceber que aquela que é feita para a internet também deve ser valorizada, é preciso fortalecer essa plataforma como negócio.

A verdade é que o conteúdo nunca morre, as pessoas vão querer consumir informação sempre, mas para ter isso com qualidade é preciso um mercado forte, sem medo de ser criativo e de apostar em novos modelos.

22 mar 2018 - Por Camila Coutinho
Comentários

Pense em um evento que reúne palestras e workshops com os maiores experts em moda e tecnologia do mundo, além de pré-estreias de cinema, shows e vários outros eventos super interessantes… esse é o South by Southwest, ou SXSW para os íntimos! kkk Há tempos queria conhecer o festival (ele existe desde 1987!), então imagina minha animação quando a Amaro (única marca brasileira a ter um painel solo no evento) me convidou para voar para Austin, no Texas, para conferir tudo de pertinho? Mal acabaram de falar já estava com as malas prontas! kkk

Essa edição do SXSW aconteceu entre 09 e 18 de março, e eu já contei lá no blog da Amaro meus destaques do festival, mas, claro, não poderia deixar de registrar por aqui também! Ainda vou falar muito sobre tudo que vi/aprendi lá (a quantidade de informações é enorme, confesso que ainda estou processando! haha me contem inclusive se gostariam de um vídeo sobre esse assunto, tá?), mas por enquanto fiz um resuminho com os 3 assuntos que mais bombaram no SXSW 2018:

Looks Amaro

“BIG DATA” E A CIÊNCIA POR TRÁS DAS VENDAS

O uso de “big data” foi sem dúvidas um dos temas que mais se destacaram no festival. Com tantas informações sobre tudo circulando por aí, como é possível usá-las a favor das empresas (e, claro, do cliente também?). Foi muito legal ouvir Dominique Oliver, fundador e CEO da Amaro, falando sobre esse outro lado da marca – porque a parte visual, de ter aquela peça tendência da vez, de estar nos looks dos influenciadores e tal, a gente já conhece, né? Mas nem imaginamos todo o embasamento, a “ciência” que fez a Amaro virar esse fenômeno.

O que você compra, como, quando, são informações que são cruzadas e resultam em um algoritmo que apresenta para o consumidor exatamente não só o que ele quer ver, mas também o que precisa – através de dados geográficos é possível oferecer um anúncio com peças para um dia chuvoso para pessoas que estão naquela exata região, por exemplo! Essa “catalogação” de informações não é só comportamental, mas também abrange cada característica do produto. Assim a marca consegue entender quais são as tendências mais desejadas e leva isso para produção, oferecendo estoque suficiente para suprir essa demanda.

A Amaro também percebeu que há um grande público que ainda não compra online e apostou nas Guide Shops, que oferecem a experiência offline não só para que o cliente prove as peças, mas também pegue, toque, comprove a qualidade do produto. Toda essa ação que acontece vai para o banco de dados também, complementando esse panorama riquíssimo que fez da marca um verdadeiro case. A informação nunca foi tão valiosa, e quem percebe (e investe) nisso sai na frente!

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL É AGORA!

Outro assunto que bombou no SXSW foi o uso de Inteligência Artificial! E é engraçado porque parece algo muito distante da realidade, mas, como a pesquisadora norte-americana Amy Webb falou em sua palestra, ela já está acontecendo – não é uma tendência, mas sim a nova era da computação! A “A.I.” (artificial intelligence) atua desde esse cruzamento de dados, facilitando uma abordagem mais certeira e customizada ao cliente, à criação de personagens…  sim,  já existem avatares virtuais que são, também, influenciadores (a @lilmiquela é uma das mais famosas, falamos dela aqui no blog, lembra?)!

Imagina que loucura, as próprias marcas agora podem criar seus influenciadores! Seriam eles então uma concorrência pra gente? hehe Olha, penso comigo que por mais avançado que seja o algoritmo tem uma coisa que o robô não pode fazer: ser criativo! Pensar fora da caixa, criar algo novo, surpreender… é algo que nenhuma automatização (ainda) substitui!

Looks Amaro

O FIM DOS SMARTPHONES?

Por fim, se você, como eu, passa o dia grudada no seu celular, prepare-se para cair da cadeira: outro dos assuntos mais comentados do SXSW foi o fim dos smartphones! [insira emojis chocados! kkk] A explicação é simples: só é possível evoluir tecnologicamente se trabalharmos com gadgets individuais. O modelo do celular que concentra câmera, player de música e etcs. chegou ao seu limite nesse quesito, voltaremos então a ter aparelhos separados para que se possa explorar o máximo de cada função – e pense em fazer isso utilizando especialmente comandos de voz e reconhecimento facial, as digitais do futuro!

SOBRE AUSTIN

Um conselho que posso dar não só sobre Austin, mas para qualquer destino: não tenha medo de ser “turistona”! haha Em vez de chamar um carro resolvi pegar um “taxi bike” para fazer um trajeto à noite e foi tããão legal! Por 10 dólares (pechinchei viu!) fiz um passeio delícia que deu também uma outra visão da cidade… você vai observando tudo com calma, as luzes, o estilo do pessoal… recomendo!

Como fiquei muito imersa no festival acabei não conhecendo tanto de Austin em si (e ano que vem já quero voltar com a família para aproveitar TU-DO!), mas uma coisa tive que fazer: provar o Gus’s World Famous Fried Chicken! O cheiro que saía desse lugar era delicioso, não podia ir embora sem provar e olha… valeu mesmo muito a pena!

Curtiram esse resumo? No site da Glamour eles listaram também minhas observações sobre a paquera virtual, uma das palestras que mais amei ver lá!

  • Querem ver mais desse conteúdo “business” por aqui? Contem nos comentários!

3 tendências de moda e tecnologia direto do SXSW!

22 mar 2018
- Por Camila Coutinho
Comentários

Pense em um evento que reúne palestras e workshops com os maiores experts em moda e tecnologia do mundo, além de pré-estreias de cinema, shows e vários outros eventos super interessantes… esse é o South by Southwest, ou SXSW para os íntimos! kkk Há tempos queria conhecer o festival (ele existe desde 1987!), então imagina minha animação quando a Amaro (única marca brasileira a ter um painel solo no evento) me convidou para voar para Austin, no Texas, para conferir tudo de pertinho? Mal acabaram de falar já estava com as malas prontas! kkk

Essa edição do SXSW aconteceu entre 09 e 18 de março, e eu já contei lá no blog da Amaro meus destaques do festival, mas, claro, não poderia deixar de registrar por aqui também! Ainda vou falar muito sobre tudo que vi/aprendi lá (a quantidade de informações é enorme, confesso que ainda estou processando! haha me contem inclusive se gostariam de um vídeo sobre esse assunto, tá?), mas por enquanto fiz um resuminho com os 3 assuntos que mais bombaram no SXSW 2018:

Looks Amaro

“BIG DATA” E A CIÊNCIA POR TRÁS DAS VENDAS

O uso de “big data” foi sem dúvidas um dos temas que mais se destacaram no festival. Com tantas informações sobre tudo circulando por aí, como é possível usá-las a favor das empresas (e, claro, do cliente também?). Foi muito legal ouvir Dominique Oliver, fundador e CEO da Amaro, falando sobre esse outro lado da marca – porque a parte visual, de ter aquela peça tendência da vez, de estar nos looks dos influenciadores e tal, a gente já conhece, né? Mas nem imaginamos todo o embasamento, a “ciência” que fez a Amaro virar esse fenômeno.

O que você compra, como, quando, são informações que são cruzadas e resultam em um algoritmo que apresenta para o consumidor exatamente não só o que ele quer ver, mas também o que precisa – através de dados geográficos é possível oferecer um anúncio com peças para um dia chuvoso para pessoas que estão naquela exata região, por exemplo! Essa “catalogação” de informações não é só comportamental, mas também abrange cada característica do produto. Assim a marca consegue entender quais são as tendências mais desejadas e leva isso para produção, oferecendo estoque suficiente para suprir essa demanda.

A Amaro também percebeu que há um grande público que ainda não compra online e apostou nas Guide Shops, que oferecem a experiência offline não só para que o cliente prove as peças, mas também pegue, toque, comprove a qualidade do produto. Toda essa ação que acontece vai para o banco de dados também, complementando esse panorama riquíssimo que fez da marca um verdadeiro case. A informação nunca foi tão valiosa, e quem percebe (e investe) nisso sai na frente!

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL É AGORA!

Outro assunto que bombou no SXSW foi o uso de Inteligência Artificial! E é engraçado porque parece algo muito distante da realidade, mas, como a pesquisadora norte-americana Amy Webb falou em sua palestra, ela já está acontecendo – não é uma tendência, mas sim a nova era da computação! A “A.I.” (artificial intelligence) atua desde esse cruzamento de dados, facilitando uma abordagem mais certeira e customizada ao cliente, à criação de personagens…  sim,  já existem avatares virtuais que são, também, influenciadores (a @lilmiquela é uma das mais famosas, falamos dela aqui no blog, lembra?)!

Imagina que loucura, as próprias marcas agora podem criar seus influenciadores! Seriam eles então uma concorrência pra gente? hehe Olha, penso comigo que por mais avançado que seja o algoritmo tem uma coisa que o robô não pode fazer: ser criativo! Pensar fora da caixa, criar algo novo, surpreender… é algo que nenhuma automatização (ainda) substitui!

Looks Amaro

O FIM DOS SMARTPHONES?

Por fim, se você, como eu, passa o dia grudada no seu celular, prepare-se para cair da cadeira: outro dos assuntos mais comentados do SXSW foi o fim dos smartphones! [insira emojis chocados! kkk] A explicação é simples: só é possível evoluir tecnologicamente se trabalharmos com gadgets individuais. O modelo do celular que concentra câmera, player de música e etcs. chegou ao seu limite nesse quesito, voltaremos então a ter aparelhos separados para que se possa explorar o máximo de cada função – e pense em fazer isso utilizando especialmente comandos de voz e reconhecimento facial, as digitais do futuro!

SOBRE AUSTIN

Um conselho que posso dar não só sobre Austin, mas para qualquer destino: não tenha medo de ser “turistona”! haha Em vez de chamar um carro resolvi pegar um “taxi bike” para fazer um trajeto à noite e foi tããão legal! Por 10 dólares (pechinchei viu!) fiz um passeio delícia que deu também uma outra visão da cidade… você vai observando tudo com calma, as luzes, o estilo do pessoal… recomendo!

Como fiquei muito imersa no festival acabei não conhecendo tanto de Austin em si (e ano que vem já quero voltar com a família para aproveitar TU-DO!), mas uma coisa tive que fazer: provar o Gus’s World Famous Fried Chicken! O cheiro que saía desse lugar era delicioso, não podia ir embora sem provar e olha… valeu mesmo muito a pena!

Curtiram esse resumo? No site da Glamour eles listaram também minhas observações sobre a paquera virtual, uma das palestras que mais amei ver lá!

  • Querem ver mais desse conteúdo “business” por aqui? Contem nos comentários!
09 mar 2017 - Por Camila Coutinho
Comentários

publicidade

Carnaval passou, alguém mais com a sensação de “o ano começa agora” aí? kkk Ou seja, é a hora de tirar os planos do papel, fia!!

Especialmente nessas últimas semanas em que estive em fashion weeks recebi muitas perguntas sobre como trabalhar com moda, muita gente que ama esse universo, mas não faz ideia de como entrar nele – seja com uma profissão ou para se aprofundar como um hobby mesmo!

Com a internet todo mundo tem seu próprio veículo, seja ele um blog ou um perfil no Insta, ou seja: a competição por atenção está mais acirrada do que nunca. Por isso uma coisa que acho que faz toda a diferença ao falar de moda – um setor tantas vezes taxado de fútil – é a informação! Parece algo básico, mas na verdade isso é justamente o que pode ser o seu diferencial!

Não precisa sofrer como a Andy em ‘O Diabo Veste Prada’, tá? kkk

Já estava querendo falar sobre isso com vocês e quando a EnModa me procurou o assunto caiu como uma luva! A Escola de Negócios da Moda é uma escola online com 12 anos de experiência no segmento de ensino de moda e empreendedorismo, oferecendo workshops, consultoria empresarial e o maior portfólio de cursos online de moda em língua portuguesa da América Latina.

Sim, são cursos totalmente online, você pode escolher os dias e horários que melhor funcionam pra você e assistir as aulas de qualquer lugar com acesso a internet – elas estão recheadas de textos, vídeos, links para pesquisa, fórum de debates e várias atividades práticas. Os alunos criam um perfil dentro da rede da escola e podem conhecer outras pessoas, além de ter professores disponíveis o tempo todo!

Tem aquela duvidazinha sobre a eficiência dos cursos online? Corre lá no primeiro post que fiz sobre a EnModa aqui no blog e dá uma olhada nos comentários! 🙂 Após a finalização e aprovação de qualquer curso ou workshop online é disponibilizado um certificado ao aluno, que leva inclusive o selo da ABED (Associação Brasileira de Educação a Distância).

Animou? Dá uma olhada nesses cursos aqui que começam no dia 27/03:

Cursos de Formação

Duração: 1 ano
– Fashion Design
– Fashion Business
– Consultoria de Imagem

E tem ainda esses outros cursos que rolam ao longo do ano inteiro e você pode começar a hora que quiser:

Cursos de Curta Duração

Duração: 2 meses

– Consultoria de Imagem
– Desenho e Ilustração de Moda
– E-Commerce para Moda
– Fashion Branding
– História e Repertório de Moda
– Jornalismo de Moda
– Mídias Sociais para Moda
…entre outros!

Workshops Online (Nova Modalidade)

Duração: 1 mês de acesso aos vídeos

– Coloração Pessoal – Método Sazonal Expandido
– Comportamento do Consumidor
– Direção Criativa
– Empreendedorismo e Planejamento de Carreira em Moda
– Marketing Estratégico para o Mercado de Moda
– Personal Branding
…entre outros!

Para mais infos sobre valores e outros cursos é só acessar o site que está tudo explicadinho lá!

mais infos: (11) 4195-6275 / Whats (11) 97377-1313 / e-mail: [email protected]

  • Gostam quando falo sobre assuntos como esse aqui? Poderia passar posts e posts falando disso, amo! kkk Contem o que mais gostariam de saber e se curtiram a dica!!

Tirando planos do papel: dica para estudar moda!

09 mar 2017
- Por Camila Coutinho
Comentários

publicidade

Carnaval passou, alguém mais com a sensação de “o ano começa agora” aí? kkk Ou seja, é a hora de tirar os planos do papel, fia!!

Especialmente nessas últimas semanas em que estive em fashion weeks recebi muitas perguntas sobre como trabalhar com moda, muita gente que ama esse universo, mas não faz ideia de como entrar nele – seja com uma profissão ou para se aprofundar como um hobby mesmo!

Com a internet todo mundo tem seu próprio veículo, seja ele um blog ou um perfil no Insta, ou seja: a competição por atenção está mais acirrada do que nunca. Por isso uma coisa que acho que faz toda a diferença ao falar de moda – um setor tantas vezes taxado de fútil – é a informação! Parece algo básico, mas na verdade isso é justamente o que pode ser o seu diferencial!

Não precisa sofrer como a Andy em ‘O Diabo Veste Prada’, tá? kkk

Já estava querendo falar sobre isso com vocês e quando a EnModa me procurou o assunto caiu como uma luva! A Escola de Negócios da Moda é uma escola online com 12 anos de experiência no segmento de ensino de moda e empreendedorismo, oferecendo workshops, consultoria empresarial e o maior portfólio de cursos online de moda em língua portuguesa da América Latina.

Sim, são cursos totalmente online, você pode escolher os dias e horários que melhor funcionam pra você e assistir as aulas de qualquer lugar com acesso a internet – elas estão recheadas de textos, vídeos, links para pesquisa, fórum de debates e várias atividades práticas. Os alunos criam um perfil dentro da rede da escola e podem conhecer outras pessoas, além de ter professores disponíveis o tempo todo!

Tem aquela duvidazinha sobre a eficiência dos cursos online? Corre lá no primeiro post que fiz sobre a EnModa aqui no blog e dá uma olhada nos comentários! 🙂 Após a finalização e aprovação de qualquer curso ou workshop online é disponibilizado um certificado ao aluno, que leva inclusive o selo da ABED (Associação Brasileira de Educação a Distância).

Animou? Dá uma olhada nesses cursos aqui que começam no dia 27/03:

Cursos de Formação

Duração: 1 ano
– Fashion Design
– Fashion Business
– Consultoria de Imagem

E tem ainda esses outros cursos que rolam ao longo do ano inteiro e você pode começar a hora que quiser:

Cursos de Curta Duração

Duração: 2 meses

– Consultoria de Imagem
– Desenho e Ilustração de Moda
– E-Commerce para Moda
– Fashion Branding
– História e Repertório de Moda
– Jornalismo de Moda
– Mídias Sociais para Moda
…entre outros!

Workshops Online (Nova Modalidade)

Duração: 1 mês de acesso aos vídeos

– Coloração Pessoal – Método Sazonal Expandido
– Comportamento do Consumidor
– Direção Criativa
– Empreendedorismo e Planejamento de Carreira em Moda
– Marketing Estratégico para o Mercado de Moda
– Personal Branding
…entre outros!

Para mais infos sobre valores e outros cursos é só acessar o site que está tudo explicadinho lá!

mais infos: (11) 4195-6275 / Whats (11) 97377-1313 / e-mail: [email protected]

  • Gostam quando falo sobre assuntos como esse aqui? Poderia passar posts e posts falando disso, amo! kkk Contem o que mais gostariam de saber e se curtiram a dica!!
28 out 2016 - Por Andressa Fernandes
Comentários
02_spfw-150
Foto: Jefferson Souza

É tanta coisa que acontece durante uma semana de moda – e mais ainda, tanta foto linda que uma fashion week rende! – que com o fim dessa SPFW não tinha como não preparar essa mega galeria com esses momentos!

Cliques de backstage, momentos de descontração, a correria para preparar um desfile, as locações incríveis… Tem tudo isso nesses registros “lado B” da semana de moda! É o momento em que as tendências ficam de lado pra gente só se deixar levar por esse universo através desse ângulo diferente daquele que a cobertura em tempo real pede!

03_spfw-118

O resultado às vezes é poético, outras surpreendente, já que mata um pouco da curiosidade sobre o que rola antes do grande show final, mas uma coisa é certa: vá até o final que vale a pena! 😉

03_spfw-55

Clique abaixo e confira!

 

Lado B – os cliques do SPFW que você ainda não viu!

28 out 2016
- Por Andressa Fernandes
Comentários
02_spfw-150
Foto: Jefferson Souza

É tanta coisa que acontece durante uma semana de moda – e mais ainda, tanta foto linda que uma fashion week rende! – que com o fim dessa SPFW não tinha como não preparar essa mega galeria com esses momentos!

Cliques de backstage, momentos de descontração, a correria para preparar um desfile, as locações incríveis… Tem tudo isso nesses registros “lado B” da semana de moda! É o momento em que as tendências ficam de lado pra gente só se deixar levar por esse universo através desse ângulo diferente daquele que a cobertura em tempo real pede!

03_spfw-118

O resultado às vezes é poético, outras surpreendente, já que mata um pouco da curiosidade sobre o que rola antes do grande show final, mas uma coisa é certa: vá até o final que vale a pena! 😉

03_spfw-55

Clique abaixo e confira!

 

PERFIL
Camila Coutinho
MOST WANTED

Copyright © 2018 - garotasestupidas.com - Todos os direitos reservados
Designed and Created bt Condomínio Network
INSTAGRAM
Copyright © 2018 - garotasestupidas.com - Todos os direitos reservados | Designed and Created bt Condomínio Network